Vitória é mais um a vencer um frágil Galo em Belo Horizonte



Setembro é mês de primavera, de esperar chuvas e, no futebol, é mês de apontar enlouquecidos dedos na tentativa de achar culpados. Ouço e leio com muita frequência perguntas que nem sempre buscam entender o problema, mas, acima de tudo, achar culpados para o baixo desempenho em campo de diversos times brasileiros.

Atlético e Vitória jogaram no Independência e terminaram o primeiro tempo empatados em 1 a 1, mas outros números chamaram mais atenção.

O Galo, dono da casa, tentou finalizar usando o recurso do cruzamento. Foram 13 no total e todos foram errados. Sem uma bola saída de bola, o time abusou dos lançamentos. Apenas três dos 22 foram certos.

O Vitória abriu o placar logo no início da partida. Viu o Atlético ter bem mais posse de bola e mesmo assim só conseguiu fazer oito desarmes nos primeiros 45 minutos.

O gol do time baiano saiu quando a defesa alvinegra afundou demais para a entrada da área e permitiu que Fillipe Soutto tivesse espaço para perceber o posicionamento do Neilton. Bola bem trabalhada pelo meio da defesa e gol.

O empate atleticano saiu em uma rara jogada de velocidade na troca de passes. Fred protegeu e colocou o equatoriano camisa 10 na frente do goleiro Caíque.

O segundo tempo não foi muito diferente do primeiro. O Atlético tinha mais a bola, mas não achava os espaços para bater com perigo em gol. O Vitória pensava primeiro em se defender e observava atento as possibilidades de jogar em um ou outro eventual erro do Galo.

O erro cometido por Leonardo Silva proporcionou o segundo gol, marcado por Yago.

Os espaços, que já não eram muitos, passaram a ser raríssimos. A pressão pela conquista de pontos em casa aumentou e os erros ficaram ainda mais evidentes.

Não é Fred a culpa. Não é Yago ou Leonardo Slva. Nem mesmo a arbitragem, fácil vilã, é culpada. A culpa também não é de Micale ou Roger. A culpa é deles também, mas especialmente da falta de um padrão coletivo de jogo ofensivo ou defensivo.

Em setembro já não é admissível a quantidade de chutões, de cruzamentos, de passes errados.

O Vitória vive o mesmo mês e ainda tinha no peito a dor de estar na zona de rebaixamento, mas viu sua estratégia de jogo dar certo ao encontrar um time que não parece estar junto.

A hora não é boa para o torcedor do Atlético fazer contas para a parte de cima da tabela. Nem o mais otimista atleticano poderia olhar para G6 tendo a zona de rebaixamento tão próxima e o campo tão limitado.

Cabe ao próximo presidente atleticano o maior dos desafios: renovar urgentemente o elenco. São muitos os jogadores já acima da linha dos 30 anos. A tarefa não é simples, mas é necessária.

 



  • O Galo virou galinha mesmo!! Todo mundo come e cai fora!!! kkkkkkk!!!!!

  • Douglas Konrado

    “Não é Fred a culpa. Não é Yago ou Leonardo Slva. Nem mesmo a arbitragem, fácil vilã, é culpada. A culpa também não é de Micale ou Roger. A culpa é deles também, mas especialmente da falta de um padrão coletivo de jogo ofensivo ou defensivo.”

    Entendi nada disso aí…kkkkk…se é falta de padrão de jogo é culpa do técnico principalmente o Roger que ficou mais tempo no comando.

MaisRecentes

Robinho é o nome do clássico mineiro



Continue Lendo

São Paulo vence e respira melhor



Continue Lendo

Levir e a indecisa direção santista



Continue Lendo