Galo respira um pouco mais e coloca dúvidas na cabeça do torcedor do São Paulo



O Atlético tinha um objetivo no jogo fora de casa contra o São Paulo. O time de Roger Machado, mesmo bastante desfalcado, precisava voltar a vencer e tentar se afastar um pouco da zona de rebaixamento.

O São Paulo não estava perto da zona de rebaixamento, mas precisava prevalecer em casa. Rogério Ceni só obteve vitórias em casa no Brasileirão.

Rogério apostou em três zagueiros. Roger sorria com a volta de Yago, jogador que oferece segurança aos zagueiros e libera Elias e Rafael Carioca para o jogo.

Um time teria mais força de defesa e o outro teria mais pegada pelo meio e talvez velocidade para o contra-ataque.

O gol marcado por Cazares pouco antes dos oito minutos era tudo o que o Galo queria. O time, que já mostrava segurança e oferecia pouco espaço pelo meio, poderia contar com mais espaços se o São Paulo fosse ainda mais ao ataque.

Elias ainda teve outra oportunidade, mas foi travado na hora da conclusão. Do outro lado, Victor trabalhou pouco e Marcinho, novamente aberto pela direita no primeiro tempo, era o jogador mais perigoso. Cícero e Wellington Nem pouco participavam do jogo.

Ceni mudou no intervalo. Saiu Wellington Nem e entrou Thiago Mendes. Marcinho saiu da direita e foi para a esquerda.

Logo no primeiro minuto, Júnior Tavares fez boa jogada e achou Marcinho na cara do gol. Ele fez.

Novamente o Atlético dava pistas de que a volta do intervalo não foi legal. Tomar gol logo no início do segundo tempo tem sido um hábito atleticano.

O gol acendeu o tricolor. Melhor montado e distribuído em campo, o time jogava o Galo contra o seu campo. Entretanto, os espaços não estavam assim tão fáceis e Victor não chegou a fazer um grande milagre. O Galo soube respirar na partida e o cansaço tratou de arrefecer a pressão dos donos da casa.

Aos 35, após mais um erro da defesa e também após muita luta de Luan pela bola, Rafael Moura apanhou a bola e fez o segundo gol atleticano.

Lucão errou e não dá para tirar dele o peso do erro, mas individualizar a culpa e crucificar o jogador é disfarçar uma realidade. O São Paulo erra muito coletivamente. Ontem e hoje foi Lucão, mas amanhã vai ser um outro e os problemas da defesa continuarão. Levantar a cabeça de Lucão e depositar na conta dele toda a culpa é justificar momentaneamente os erros, mas o coletivo precisa melhorar.

O São Paulo sofreu com a queda de rendimento de diversos jogadores. Cícero e Nem pouco fizeram. Cueva caiu muito na segunda etapa. O time passou a viver de ligação direta da intermediária e a defesa alvinegra cortava bem.

A vitória atleticana dá um pouco mais de paz e confiança. Se o departamento médico liberar mais jogadores, o time vai crescer.

O São Paulo poderia ter mais envolvimento no meio campo. Sem o bom rendimento de Cueva e Cícero o time se torna previsível e abrevia as jogadas tentando os lançamentos longos. É preciso jogar mais e buscar envolver os adversários.

O Galo ainda fica aliviado. É bem verdade que a zona de rebaixamento ficou mais para trás, mas não é hora de olhar para o distante (por apenas três pontos) G6. É hora de emendar uma sequência melhor para o time e o torcedor voltarem a ter confiança mais elevada.

 



  • Oliveira Neto

    Prezado Mario Marra,
    Deve-se reconhecer, contudo, que a equipe do S.P.F.C. criou muitas oportunidades…mas não soube aproveitá-las…
    Uma
    sugestão: se o técnico Rogério Ceni assistisse à partida, juntamente
    com os jogadores, para analisar as chances perdidas e as falhas da
    equipe…e aproveitasse para treinar, em cima dessas falhas? Não seria
    interessante? Afinal, a equipe, de fato, criou muitas oportunidades…
    Reproduzir essas jogadas e treinar a finalização…poderia ser uma alternativa…
    Treinar o nível de atenção e de concentração dos jogadores, também seria interessante…
    Atletas olímpicos, de esportes que exigem perfomances próximas aos níveis de perfeição e excelência, costumam fazer isso…
    Até no vôlei, isso é feito…
    Por qual motivo não se faz esse tipo de treinamentos no futebol?

MaisRecentes

Venceu o irreal, mas o Grêmio também sai por cima



Continue Lendo

Furacão novamente flerta com a novidade



Continue Lendo

Grêmio vence e espera o sábado chegar



Continue Lendo