Roger levanta sua primeira taça e ganha a confiança para a caminhada



Leonardo Silva, capitão atleticano, logo no início da noite do dia 07 de maio, ergueu a taça de campeão mineiro. Além de comemorar o campeonato, o Galo voltou a vencer o seu maior rival.

É verdade que Roger Machado sabia que o empate já seria suficiente, mas o time finalizou seis vezes contra três do Cruzeiro. A aposta em um meio mais encorpado com Adilson, Carioca e Elias desarmando e saindo para o jogo fez o campo de ataque se abrir ao Galo e deixou o time bem protegido.

Léo Silva sabe que o título tem valor, mas ele e os outros jogadores sabem mais. Ou não foi isso que falou Fred ao ser perguntado sobre o trabalho de Roger? Ou não foi isso o que Robinho cochichou – mas os microfones captaram – no pé do ouvido do treinador?

O Galo precisa amadurecer, ser mais forte defensivamente e confiável. O time campeão, no dia da final, foi confiável e se expôs muito pouco, correu muito pouco risco. Novamente, o Cruzeiro teve mais posse de bola e novamente não conseguia finalizar na área atleticana.

O torcedor, apaixonado, não percebia os rumos do trabalho, mas os jogadores, calejados, sabiam que era necessário buscar o equilíbrio.

Hoje, no dia 07 de maio, não só os torcedores atleticanos comemoraram o título. Especialmente os jogadores que estão há muito tempo no Galo sabiam que o título seria o carimbo, o passaporte necessário para que o trabalho fosse mantido e admirado.

Roger Machado é sério, bem como outros tantos treinadores. No entanto, o fardo que ele carrega é o de equilibrar um time que teve a ofensividade apaixonante e o desajuste defensivo como suas grandes marcas.

O primeiro passo foi dado e o caminho é longo, mas agora ele já caminhará com uma faixa, que confere apoio, no peito.



MaisRecentes

Empate que serve como puxão de orelha



Continue Lendo

Bélgica sobra contra uma frágil Costa Rica



Continue Lendo

Galo vence e atinge melhor pontuação dos últimos três anos



Continue Lendo