Palmeiras perde a invencibilidade na Libertadores



Sem Felipe Melo, Dracena e com Borja como opção de banco, o Palmeiras saiu do Brasil para encarar o Jorge Wilstermann na Bolívia.

E o jogo começou bom para o time verde. Thiago Santos protegendo pelo centro, Tchê Tchê mais pela esquerda e Guerra pela direita. Róger Guedes tentava abrir a defesa pela direita e Dudu pela esquerda. Willian fazia as vezes de um atacante mais perto da área, mas com boa movimentação.

O Wilstermann apostava na velocidade de Ríos. Rudy Cardozo pela esquerda e Bergese pela direita.

Apesar da baixa qualidade do gramado, o Palmeiras tentava sair jogando e achava seus espaços para as jogadas ofensivas. Nos primeiros 15 minutos foram três finalizações. Entretanto, de uma hora para a outra, o Palmeiras parou de tocar e passou a abusar dos lançamentos. A qualidade dos passes caiu e o adversário cresceu.

Foram 34 minutos sem dar um chute ao gol defendido por Olivares. O Palmeiras não chutava e o Wilstermann chegava com perigo.

O primeiro gol foi marcado por Morales e o segundo saiu com Machado, após uma roubada de bola e um chutaço de fora da área.

Perto do fim do primeiro tempo, Dudu bateu falta lateral e Guerra apanhou rebote que diminuiu o placar.

Eduardo Baptista fez Borja voltar ao time e Willian saiu no intervalo. O time voltou preferindo colocar a bola no chão, mas aos 21 minutos, Saucedo recebeu nas costas de Jean e foi derrubado por Prass. Pênalti e gol de Cardozo.

Com Keno e Raphael Veiga em campo e sem Dudu e Thiago Santos. Guerra mais recuado. O jogo voltou a ser o jogo das bolas longas. Guerra mais distante da faixa de criação fez cair o volume de jogo pelo centro.

Quando tudo parecia que o jogo seria muito bom para o Jorge Wilstermann, Cabezas, atacante colombiano que acabara de entrar, fez um belo gol contra.

E o jogo terminou com a primeira derrota do Palmeiras na Libertadores. A noite que poderia ser de classificação acabou se transformando em uma decepção.

É preciso, possível e necessário pedir uma atuação mais segura o tempo todo do jogo. O Palmeiras tem elenco e investimento para ser mais forte por mais tempo.

O tempo de errar e especialmente de aprender é agora. A fase de grupos ensina muito e o torcedor espera que o Palmeiras domine mais os seus jogos.

A classificação vai chegar e é preciso não errar mais nas próximas fases.



MaisRecentes

Estádio pode ter sido o maior gol da atual diretoria atleticana



Continue Lendo

Duas rodadas determinantes para o São Paulo



Continue Lendo

Galo vê mais um dia histórico chegando



Continue Lendo