Chape vence e ensina



É como uma cicatriz. A Chapecoense, por mais que mostre estar vivendo o que a vida oferece, sempre vai carregar a marca do dia 29 de novembro. Ver aquelas camisas em campo vai sempre trazer a lembrança de outros rostos.

Com toda a marca de um passado recente, a Chape entrou em campo para a estreia na Libertadores da América. Os jogos de Libertadores, para a maioria do clubes brasileiros, são carregados de mística e quase representam batalhas campais. Para a Chape não foi assim.

Jogar uma partida da competição mais importante do continente não precisa ser jogar uma tensa partida de futebol. E foi assim. Com boa técnica, velocidade, garra e muita entrega. A Chapecoense saiu da Venezuela com o mesmo brilho nos olhos de sempre e com o sorriso do ano passado.

A vitória significou muito para o grupo e para a sequência do time de Chapecó, mas pode ter ensinado muito mais.

O time sofrido foi ao jogo, fora de casa, para vencer. Não jogou para empatar ou para gastar o tempo.

O segundo tempo foi mais complicado, o que é perfeitamente normal, mas ainda assim o time chegou ao segundo gol e tentou envolver os donos da casa.

Foi bonito ver a primeira vitória, a estreia, a Chape de volta e a nova esperança de sonhos antigos se realizarem.

 



MaisRecentes

Um pouca da história dos técnicos estrangeiros no Brasil



Continue Lendo

Um jogão, cheio de erros, mas um jogão no Morumbi



Continue Lendo

Noite do Grêmio e de eliminações



Continue Lendo