Grêmio faz aniversário sem o brilho de Roger



Ele chegou como quem não queria nada. Gaúcho, mas tinha discurso de mineiro que come pelas beiradas. Pegou um time gigante e tinha um enorme desafio. O tempo foi passando e o padrão de jogo era facilmente percebido. O time dele sempre oferecia algo diferente e era nítido que o treino era bom. E vieram as vitórias, os tropeços e os muitos desafios e recomeços. Roger Machado fez o torcedor gremista sonhar e o torcedor gremista fez Roger acreditar em um projeto redentor. Sim, redentor.

As contas não estavam boas e a saúde financeira indicava cuidados. No entanto, como ter cuidados e continuar sendo o gigante que é? Como equilibrar o Livro Caixa e a tabela do campeonato? E para piorar a equação: como fazer tudo isso e ainda substituir um treinador experiente e histórico campeão tendo como experiência passagens pelo Juventude e Novo Hamburgo? O desafio de Roger não seria fácil, mas o caminhar foi feito com zelo no trabalho e olhos brilhantes, vivos e muito atentos.

Ontem, em Campinas, Roger e Grêmio se afastaram. A sequência era mesmo negativa e o grupo da frente parece estar cada vez mais distante. Roger, o treinador de brilho nos olhos e coração no trabalho, se viu sem forças para continuar e parou a caminhada. Logo ele que recebeu várias propostas para ganhar bem mais e optou pelo sonho do projeto gremista. Fim da linha. Fim do projeto. Entretanto, a história já está escrita e em todo canto e campo do país alguém falou da qualidade de jogo que aquele time dirigido por Roger Machado mostrou.

É irônico pensar que um dia depois da derrota para a Ponte Preta o clube celebraria 113 anos sem treinador. Ainda se fosse sem treinador até que tudo bem, mas o Grêmio vai ficar sem Roger e isso tem um peso ainda maior.



MaisRecentes

Palmeiras vence e Willian deixa claro que merece ser titular



Continue Lendo

São Paulo faz seus três primeiros pontos na fria noite do Morumbi



Continue Lendo

Os bons sinais do novo Galo



Continue Lendo