O dia que Guardiola precisa ser Klopp



A ótima temporada do Manchester City vive seu momento de baixa. É normal que todos os times percam um pouco da concentração, da precisão na hora de finalizar, passar ou desarmar e que o caminho das vitórias seja reencontrado na sequência. Todos bons jogadores e boas equipes passaram por isso. O problema é que a queda veio no momento decisivo. Dez minutos ruins na Liga dos Campeões podem custar uma temporada e 15 minutos ruins no final de semana deixaram o gosto amargo da perda do clássico local.

O City nem foi tão mal contra o Liverpool. O Liverpool é que foi bem demais. Teve intensidade e precisão no primeiro tempo para continuar golpeando cada vez que o time azul tentava levantar. Ainda assim a falta de pontaria do time de Manchester ajudou que o resultado final mostrasse um massacre.

Hoje o time de Guardiola terá que ser mais parecido com os times de Jurgen Klopp do que nunca. É impossível de uma hora para outra mudar a forma de uma equipe atuar ou entender o jogo. No entanto será necessário um ponto extra de intensidade, agressividade e até irresponsabilidade para atacar. Tocar e tocar para envolver e achar os espaços pode não ser o bastante.

Dificilmente três gols serão o bastante para forçar ao menos prorrogação e pênaltis. Exposto e contra um time que sabe usar as costas da defesa, o City deverá sofrer algum gol. Por isso devem entrar em campo pensando em marcar ao menos cinco vezes.

Reencontrar-se depois de duas derrotas duras e sem ter muito tempo para assimilar é outro grande desafio, mas não há alternativa. Ou marca um gol atrás do outro, ou vê os Reds na semifinal.



MaisRecentes

Wenger sai merecendo respeito, mas sem deixar bom legado ao Arsenal



Continue Lendo

Com apenas um título na carreira, Coutinho admite ansiedade por ser campeão com o Barcelona



Continue Lendo

Reverenciado em todo o mundo, Guardiola perde até quando ganha em seu próprio país



Continue Lendo