Barcelona x Chelsea: um jogo de 70 e outro de 20 minutos no Camp Nou



O Chelsea precisa ganhar, mas isso não quer dizer que precisa atacar o jogo inteiro. Essa parece ser a mentalidade da equipe inglesa, pelo o que falaram Willian e Antonio Conte, na prévia da partida. Ambos disseram várias vezes em fazer o mesmo jogo do Stamford Bridge, não cometer erros, e ser preciso quando tiver a bola nos pés.

O Chelsea sabe que o Barcelona terá a bola e buscará o gol e que isso vai deixar espaços na sua defesa. E também sabe que se quiser se abrir de cara e dar campo ao Barça, fugirá de suas características e ficará exposto.

A ideia é fazer dois jogos em um só. O primeiro dura entre 70 e 75 minutos, o segundo dependerá de como foi o primeiro. Segurar o Barcelona e se manter vivo é a primeira ideia. Se os ingleses chegarem até os 30 minutos do segundo tempo com um 0 a 0 ou até perdendo por 1 a 0, podem fazer o segundo jogo que é apostar em mais atacantes e avançar o time para pressionar e se expor por pouco tempo, mas com o fator gol como visitante podendo ajuda-los a se classificar ou levar o jogo à prorrogação.

A tática não é novidade e é algo parecido ao que tentou fazer o Atlético de Madrid há 10 dias. Talvez até por isso, Ernesto Valverde tenha dúvidas sobre como utilizar Iniesta. Dificilmente o capitão do Barcelona conseguirá jogar os 90 minutos. E por isso também o Barça terá dois jogos diferentes.

Se Andrés começa jogando, conseguirá atuar no primeiro tempo e ganhar fôlego no intervalo para 10 ou 15 minutos mais. Daria sentido e critério ao jogo no momento do rival mais recuado e fechado no seu campo. Poderia deixar o jogo já com a “missão cumprida”, de ampliar a vantagem azulgrená. A outra ideia é guarda-lo para os 30 minutos finais, pensando que o Barcelona pode precisar segurar a bola no meio-campo ou ainda que o time pode estar em desvantagem e com o Chelsea ainda mais fechado.

Cada equipe tem suas alternativas para a partida, mas o que parece mais lógico é que teremos uma continuação do jogo de Stamford Bridge. E na reta final, outra partida bem diferente.



MaisRecentes

“Never, never, never”. O que está por trás da capa do Marca com Neymar como destaque?



Continue Lendo

De Dani Alves a Lenglet: Barça gastou €130 milhões para tirar seis jogadores do Sevilla



Continue Lendo

Arthur tem tudo o que precisa para vencer no Barça



Continue Lendo