Iniesta: da noite mais triste da vida aos 20 anos de Barcelona



Iniesta chama o dia que chegou ao Barcelona como “a noite mais triste de sua vida”. Este 6 de outubro marca a primeira vez que Andres se sentiu jogador de futebol, vestido de azulgrená.

Contra o PB Cinc de Copes, o jogador fez sua estreia na categoria de base do Barcelona, há 20 anos. A partir do momento que tocou a bola dentro de um campo, a solidão, a tristeza e a saudade foram ficando para trás. Pela frente, o futuro de um dos maiores da história do Barcelona e da Espanha.

No domingo fez 600 jogos pelo profissional, o segundo atleta que mais vezes jogou pelo Barça. Só perdeu duas partidas por suspensão é onde vai na Espanha (exceto em Bilbao) é aplaudido.

No ano passado o Santiago Bernabeu o reverenciou, como um dia fez com Ronaldinho. Um jogador que não agride com palavras ou entradas duras, que respeita os rivais e não desmerece a ninguém. Uma unanimidade e que ainda fez o gol do título espanhol na Copa do Mundo.

Fraco, baixo e nem tão rápido, só lhe resta entender o jogo à perfeição e tratar a bola da melhor forma possível.

A noite mais triste da vida, a morte do amigo Dani Jarque, as lesões, a saída dos amigos Valdes, Puyol e Xavi. Tudo passa e tudo é superado. Insuperável é Iniesta. Um patrimônio do futebol.

img_3707



MaisRecentes

Com média de 17 mil por jogo, Celta é punido por baixa presença de público no estádio



Continue Lendo

O perigoso princípio de incêndio no PSG



Continue Lendo

Quatro meses, 20 jogos e período de adaptação. Porque a lesão de Dembele é um desastre



Continue Lendo