Enfim, Alemanha



A Euro com 24 seleções permite muitos times fracos de chegar até as oitavas-de-final. E podem ir ainda mais além. Em um torneio com poucos gols e nenhuma goleada, os fracos têm conseguido emparelhar jogos e se defender com competência diante de rivais claramente mais dotados de futebol.

Assim a Irlanda fez a espinha do torcedor francês gelar, mas a Eslováquia (que havia empatado com a Inglaterra) não conseguiu ser párea para a Alemanha (que tropeçou na Polônia). Três a zero, pênalti perdido e uma infinita superioridade dos campeões mundiais.

Depois de uma primeira fase pobre e sem pisar no acelerador, a Alemanha finalmente estreia na Euro, reafirma seu potencial e exibe sua força. Draxler, Muller, Kroos, Ozil e muito volume e velocidade na troca de passes no meio. Hummels e Boateng com ótima saída de bola. Limpa e inteligente.

A Eslováquia quase não serve de parâmetro por ser um adversário muito fraco. A diferença é que todos estão jogando contra rivais limitados e estão tendo sérias dificuldades. Não tomar conhecimento de alguém, em um torneio tão equilibrado, é fazer a diferença.

Uefa.com

Uefa.com



MaisRecentes

Meio time fora e Bernardo Silva: o Manchester City começa uma necessária revolução



Continue Lendo

A despedida do Totti, o jogador contra a corrente



Continue Lendo

Título da Europa League pode devolver United ao ciclo vitorioso dos grandes europeus



Continue Lendo