Uruguai volta às Olimpíadas para resgatar a própria história



Jogadores uruguaios comemoram a vaga olímpica, após a vitória sobre a Argentina/Crédito: El País

Em 1928, o arquiteto brasileiro Oscar Niemayer casou-se com Annita Baldo; o músico Glenn Miller mudou-se para Nova York, enquanto o escritor George Owell arrumava as malas em direção à França; Charles Chaplin lançava seu filme “O Circo”; a pintora brasileira Tarsila do Amaral concluia seu quadro “ABAPORU” , para presentear o marido Oswald de Andrade; Getúlio Vargas tomava posse do governo do Rio Grande do Sul; o futuro técnico Rinnus Mitchels nascia na Holanda; o futuro ditador Hosni Mubarak nascia no Egito; e o Uruguai vencia o torneio olímpico de futebol dos Jogos de Amsterdã, na Holanda.

Oitenta e quatro anos depois de tudo isso ter acontecido, o Uruguai estará de volta às Olimpíadas. Ao derrotar a Argentina por 1 a 0, durante o Sul-Americano sub-20 do Peru, nesta última quarta-feira, o futebol uruguaio deu mais um passo em seu renascimento e garantiu uma das duas vagas sul-americanas para o torneio olímpico de futebol dos Jogos de Londres, em 2012. Na verdade, o Uruguai estará  resgatando a própria história, pois foi após conquistar o bicampeonato dos Jogos, em 1924 (em Paris) e 28 (Amsterdã) que a seleção uruguaia ganhou o apelido de Celeste Olímpica.


É sensacional ver este renascimento do futebol uruguaio, que já havia começado em grande estilo com o quarto lugar na Copa do Mundo da África do Sul, em 2010. O Uruguai é um gigante do futebol sul-americano, só que estava inerte, anestesiado, respirando por aparelhos. O continente sul-americano viveu nos últimos anos exclusivamente da rivalidade Brasil e Argentina. Houve, é claro, um brilhareco aqui e ali de uma Colômbia, de um Paraguai, até do Chile. Mas o futebol sul-americano sem um Uruguai forte não era a mesma coisa.


Que esta classificação para as Olimpíadas de Londres, no ano que vem inspire os bravos jogadores da Celeste Olímpica a tentarem repetir as glórias de seus antecessores. Como as imagens abaixo não deixam esquecer.

 Obs: fonte para os acontecimentos históricos de 1928 – site Ponteiro




MaisRecentes

Correria japonesa? Brasil já pensa nas oitavas do Mundial de handebol



Continue Lendo

‘Paredão’ Maik deixa Seleção Brasileira viva no Mundial de handebol



Continue Lendo

Rúgbi do Brasil inicia temporada de olho nos Jogos de Tóquio-2020



Continue Lendo