Atletismo de Tóquio-2020 verá a rainha das pistas Fraser-Pryce em dose dupla



A velocista jamaicana Shelly-Ann Fraser-Pryce recebe o troféu de melhor atleta feminina no Panam Sports Awards de 2019 (Crédito: Divulgação)

É bom as rivais ficarem preparadas. Dona de seis medalhas olímpicas, duas delas de ouro, a velocista jamaicana Shelly-Ann Fraser-Pryce promete ser uma das estrelas da Olimpíada de Tóquio-2020. Ela confirmou esta semana que os Jogos Olímpicos do ano que vem serão os últimos que ela participará. Por isso, tentará sair de cena subindo ao pódio nas principais provas de velocidade, os 100 e 200 metros.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga

Nos últimos 12 anos, Fraser-Pryce tornou-se praticamente a rainha das pistas no atletismo. Acumula dez títulos mundiais (um em pista coberta), num total de 12 pódios. Seu desempenho em Olimpíadas é igualmente impressionante. Foram seis medalhas, sendo duas de ouro (Pequim-2008 e Londres-2012, ambas nos 100 m), três de prata (Londres-2012 nos 200 m e revezamento 4 x 100 m, e Rio-2016, também no 4 x 100m), além de um bronze (nos 100 m no Rio de Janeiro).

Aos 33 anos, que serão completados nesta sexta-feira, Fraser-Pryce tem consciência de que dificilmente conseguirá encarar um novo ciclo olímpico. O atual já foi extremamente complicado, após decidir retirar-se das pistas para ser mãe de Zyon, que nasceu em 2017.

Retornou às competições internacionais no Pan de Lima-2019, onde foi ouro nos 100 m. O desempenho a ajudou a ser eleita como melhor atleta feminina da competição, no prêmio da Panam Sports, entregue há duas semanas.

O grande momento de seu retorno, porém, ficou reservado para o Campeonato Mundial de Doha, quando venceu os 100 m pela quarta vez e emocionou-se ao falar das dificuldades que enfrentou para voltar às pistas. “Quando eu disse que estava grávida, disseram que eu deveria me aposentar”, contou Fraser-Pryce à época.

Para Tóquio, a jamaicana sonha finalmente alcançar um feito que Usain Bolt, seu compatriota mais famoso, já obteve. Ou seja, vencer os 100 e 200 metros em uma mesma edição dos Jogos. Poderia ter sido no Rio-2016, mas uma lesão a impediu. “Estou ansiosa para disputar os 200 m, principalmente porque sei que posso correr para 21 segundos”, afirmou.

Na Olimpíada de Tóquio, os 100 metros feminino terá a eliminatória no dia 30/7 (pelo horário de Brasília), semifinal e final no dia 1º/8. Já os 200 metros estão programados para os dias 2/8 (eliminatórias) e 4/8 (semifinal e final).

VEJA TAMBÉM:

Brasileiros concorrem a prêmio de melhor do ano da Panam Sports 
Campeonato Mundial no Qatar é um desserviço para o atletismo 
Conheça o Estádio Olímpico de Tóquio