“Esquecidos da tocha” serão homenageados em SP



tocha olímpica

Ex-atletas olímpicos serão homenageados no revezamento da tocha em São Paulo (Crédito: AFP)

Principal polêmica que cerca o revezamento da tocha olímpica dos Jogos Rio-2016 pelo território brasileiro, a ausência de vários ex-atletas olímpicos do país na lista dos condutores será deixada de lado na passagem do fogo olímpico pela cidade de São Paulo, prevista para ocorrer no próximo dia 24 de julho.

Representantes de diversas modalidades que fizeram parte do revezamento serão os convidados de honra da festa prevista para o estádio do Pacaembu. O evento deverá começar às 14h, com estudantes realizando exibições de ginástica e artes marciais. A partir das 15h30, os atletas entrarão em campo e serão homenageados por mais de mil crianças. Às 16h04min, o fogo olímpico será recebido por todos os atletas, perfilados ao lado da pista de atletismo.

>>> Veja ainda: Que a tocha olímpica chegue também aos atletas brasileiros

A iniciativa da homenagem partiu da professora e pesquisadora Katia Rubio, autora do livro “Atletas Olímpicos Brasileiros”, em uma parceria do GEO (Grupo de Estudos Olímpicos), da USP (Universidade de São Paulo) e da Secretaria de Esportes e Lazer do município de São Paulo.

convite homenagem

Convite para a homenagem aos atletas olímpicos em São Paulo (Crédito: reprodução)

Há algum tempo, ela  já vinha encabeçando via redes sociais uma campanha para que todos os atletas olímpicos brasileiros ainda vivos (cerca de 1.400) tivessem o direito de carregar o fogo olímpico. Por diversos motivos, vários acabaram não sendo chamados ou puderam comparecer, nas listas organizadas pelos três patrocinadores do revezamento (Nissan, Coca-Cola e Bradesco) e pelas prefeituras das cidades.

>>> O blog também está no Facebook. Entre e curta a página

A expectativa de Katia é reunir ao menos 100  ex-atletas no dia 24. Até mesmo um ex-atleta que conduziu o fogo olímpico (o ex-esgrimista Regis Trois) participará da festa. “Queremos homenagear todos os atletas e dar aos que não puderam conduzir a tocha a chance de se aproximarem desse símbolo tão importante para eles”, afirmou a pesquisadora.



MaisRecentes

Isaquias Queiroz vai aumentar sua coleção de medalhas no Mundial de canoagem?



Continue Lendo

Brasil estreia em mundiais de badminton e wrestling nesta segunda



Continue Lendo