Tiro com arco brasileiro escancara o atraso do esporte nacional



Anne Marcelle dos Santos tem que pagar para utilizar o centro de treinamento da CBTarco (Crédito: Saulo Cruz/Exemplus/COB – 5/ago/2016)

O século 21 caminha para sua segunda década, mas algumas confederações esportivas do Brasil insistem em manter práticas de um passado de triste memória.

Um destes exemplos é a CBTarco (Confederação Brasileira de Tiro com Arco).

Excelente reportagem publicada nesta quarta-feira no site globoesporte.com, de autoria do companheiro Thierry Gozzer, mostrou que a entidade que comanda o tiro com arco no Brasil tem que rever os conceitos de uma boa gestão esportiva.

De acordo com a reportagem, Ane Marcelle dos Santos, que chegou às oitavas de final na Olimpíada Rio-2016 – melhor resultado da história do país na modalidade -, precisa pagar para utilizar as dependências do centro de treinamento da CBTarco, em Maricá (RJ).

+ LEIA MAIS: ‘Velha guarda’ da cartolagem busca vaga em novo conselho do COB

Ela e outros atletas do alto rendimento têm que pagar R$ 250 mensais se quiserem treinar no CT.

A desculpa da CBTarco é que a verba é necessária para manutenção da área.

Para Anne Marcelle, que não tem patrocinador e conta apenas como Bolsa Atleta, esta despesa pesa consideravelmente em sua preparação.

Com ajuda da prefeitura de Maricá, ela conseguiu uma área para realizar seus treinos.

Justificativa

A confederação se defende, dizendo que não cobra de atletas convocados para treinos e nem na semana que antecede seletivas ou eventos no próprio CT.

A justificativa não se sustenta quando são exibidos os valores que a CBTarco recebe de repasse da Lei Agnelo/Piva.

Na temporada de 2018, a entidade recebeu um total de R$ 2.510.700,47. Mais do que o tênis de mesa, que tem atualmente um atleta (Hugo Calderano) entre os dez melhores do mundo.

Não há desculpa que justifique a CBTarco cobrar R$ 18 por dia para um atleta treinar em seu CT.

O centro de treinamento de Maricá foi erguido com verbas da Lei Agnelo/Piva. Inaugurado em maio de 2010, custou R$ 320 mil e tem uma área de 24 mil m².



MaisRecentes

Família Oliveira brilha no boxe olímpico 50 anos depois



Continue Lendo

Há 50 anos, um protesto que marcou a história olímpica



Continue Lendo

Ranking olímpico dá alento ao judô do Brasil após Mundial



Continue Lendo