Thiago Pereira conta os dias para virar o maior medalhista do Pan



Thiago Pereira posa com a bandeira brasileira na Vila Pan-Americana. Crédito: COB

O nadador Thiago Pereira posa com a bandeira brasileira na Vila Pan-Americana. Crédito: COB

Daqui a pouco menos de duas horas começará de forma oficial os Jogos Pan-Americanos de Toronto, com a cerimônia de abertura no Rogers Centre. E empunhando a bandeira brasileira durante o desfile estará Thiago Pereira, que mais do que nunca poderá consagrar em terras canadenses o apelido de “Mr. Pan”. Afinal, o nadador nascido em Volta Redonda precisa somente de mais duas medalhas para tornar-se o maior ganhador da história dos Jogos. Com mais cinco pódios, irá se tornar o maior medalhista da história da competição.

“Meu grande objetivo neste Pan-Americano é pensar dia após dia. Foi assim que eu conquistei todas as minhas medalhas no Rio 2007 e em Guadalajara 2011. Estarei concentrado prova após prova e sem tentar abraçar tudo de uma só vez”, afirmou Thiago, de 29 anos, que disputa a competição pela quarta vez. Até agora, são 18 medalhas na conta dele, sendo 12 de ouro, três de prata e outras três de bronze.

>>> E mais: Será tão importante assim ficar em segundo no quadro de medalhas do Pan?

À sua frente, por enquanto, estão o compatriota Gustavo Borges, com 19 medalhas, e o ginasta cubano Eric Lopez, que acumulou um total de 22 medalhas.

Durante muito tempo, o apelido “Mr. Pan” teve um peso excessivo sobre os ombros de Thiago Pereira, pois seus críticos diziam que ele brilhava na competição das Américas, porém deixava a desejar em eventos mais fortes, como Campeonatos Mundiais e Olimpíadas. Contudo, após a medalha de prata nos 400 m medley nas Olimpíadas de Londres 2012 e as duas de bronze (200 m e 400 m medley) no Mundial de Barcelona 2013 enterraram de vez qualquer tentativa de piadinha maldosa em relação ao brasileiro.



MaisRecentes

Falta patrocínio no esporte brasileiro? O rúgbi não tem do que reclamar



Continue Lendo

Oscar Schmidt no All-Star da NBA alivia a depressão do basquete brasileiro



Continue Lendo

Após ganhar a vaga no Mundial, polo brasileiro torce para conseguir viajar



Continue Lendo