Thiago Braz derrota Lavillenie na primeira prova de 2017 no salto com vara



Depois da polêmica das vaias na final do salto com vara na Rio-2016, o brasileiro Thiago Braz começou bem a temporada 2017. Em seu primeiro confronto com o francês Renaud Lavillenie, Braz venceu um meeting indoor (pista coberta) realizado em Rouen, na França, neste sábado. O francês ficou apenas em sétimo lugar.

A maior atração da quinta edição do Meeting Indoor Perche Elite Tour era o confronto entre os dois rivais. Nos Jogos Olímpicos Rio-2016, Thiago Braz conquistou a medalha de ouro de forma espetacular, surpreendendo o francês quando saltou 6,03 m, quando Lavillenie estava bem perto da vitória. O francês reclamou muito das vaias da torcida brasileira no Estádio Olímpico Nilton Santos, o Engenhão, chegando até a comparar com a atitude da torcida nazista com o americano Jesse Owens na Olimpíada de Berlim-1936.

VEJA MAIS SOBRE THIAGO BRAZ

Thiago Braz sonha com voos mais altos 
Os melhores momentos olímpicos de 2016 
Todas as medalhas do atletismo do Brasil na história das Olimpíadas

Depois, retratou-se, mas a desculpa não evitou que levasse uma vaia ainda maior no dia seguinte, durante a cerimônia de entrega das medalhas. O francês chegou a chorar no pódio e foi consolado pelo brasileiro.

Neste sábado, Thiago Braz venceu a prova ao saltar 5,86 m, deixando para trás o grego Konstantinos Filippidis, que chegou a 5,78 m. Em terceiro ficou o francês Kevin Menaldo, também com 5,78 m, mas que ficou atrás do grego no desempate. O brasileiro ainda buscou bater o seu recorde sul-americano indoor na prova, mas errou as três tentativas em 5,94 m (a marca atual é de 5,93 m).

Lavillenie, que está se recuperando de uma lesão, começou a prova saltando 5,20 m, passou com dificuldade em 5, 50 m e errou os três saltos em 5,60 m, terminando na sétima posição.

O brasileiro agora irá competir no próximo domingo (5/2), em Clemont-Ferrand, também na França. No dia 10, ele encerra o ciclo de competições indoor em Berlim, na Alemanha.



MaisRecentes

O calote do Comitê Rio-2016 é uma vergonha que ficará para sempre



Continue Lendo

COI volta a se preocupar com os custos dos Jogos de inverno. Mas os de 2026



Continue Lendo

Pole dance, poker e pebolim (ou totó): mais novidades no programa olímpico?



Continue Lendo