Heróis do snowboard de PyeongChang encaram constrangimento e deselegância



As manobras radicais de Chloe Kim e Shaun White renderam duas medalhas de ouro para os Estados Unidos no snowboard. Nas últimas terça e quarta-feiras, respectivamente, eles venceram as provas do halpipe feminino e masculino da Olimpíada de PyeongChang-2018. Chloe, uma adolescente de 17 anos, encantou a torcida com seu carisma. Já White fez história, ao faturar o tricampeonato olímpico e também a 100ª medalha de ouro americana em Jogos de Inverno.

Mas os americanos não estão nas manchetes apenas por seus feitos esportivos. Casos de constrangimento e deselegância envolveram os dois campeões olímpicos na Coreia do Sul nos últimos dias.

Shaun White teve sua histórica conquista contestada dentro dos Estados Unidos. Em uma texto publicado no site da rede de tevê CNN, Kara Alaimo, professora assistente de relações públicas da Universidade Hofstra e que foi porta-voz do governo Barack Obama para assuntos internacionais, criticou a vitória de White. O motivo é uma acusação de assédio sexual. Lena Zawaideh, ex-baterista de uma antiga banda de rock de White, acusou-o em 2016 de ter recebido mensagens de texto com conteúdo sexual, além de ter sido tocada de forma inapropriada pelo tricampeão olímpico. O caso foi parar na Justiça americana e as duas partes chegaram a um acordo em maio do ano passado.

O assunto ainda é tão delicado que ao ser perguntado sobre isso na coletiva após a vitória em PyeongChang, Shaun White ficou irritado. “Estou aqui para falar da Olimpíada e não de fofocas”, afirmou, pouco antes de abandonar a coletiva, sem responder aos repórteres sobre o tema. “O COI não deveria se preocupar apenas em garantir que os atletas não abusem das mulheres nas Olimpíadas. Eles não deveriam permitir que atletas que cometam abusos em qualquer lugar e qualquer época possam competir”, escreveu Alaimo, em seu contundente artigo.

Radialista sem noção

Já a carismática adolescente Chloe Kim foi vítima da completa falta de noção de um deselegante radialista americano. Patrick Connor, da emissora KNBR, da Califórnia (EUA), fez comentários de cunho sexual em relação à atleta.

“O aniversário de 18 anos de Chloe é dia 23 de abril e a contagem regressiva começou, bebê, porque meu Wooderson está aparecendo (Wooderson é o personagem do filme ‘Jovens, Loucos e Rebeldes’, que assedia estudantes). É por isso que gosto de garotas do ensino médio. Se ela já tivesse 18 anos, diria que ela tem uma bunda gostosa”, disse Connor, durante seu programa.

A reação foi tão forte que o radialista acabou demitido da rádio. Depois, tentou livrar sua cara, desculpando-se no Twitter. “Lamento muito, Chloe. Você representou nosso país brilhantemente. Peço desculpas aos meus colegas e ouvintes por ser um total idiota”. Confira abaixo.

VEJA TAMBÉM:

O triste adeus olímpico de Isabel Clark 
Ignorância e falta de espírito esportivo em PyeongChang 
‘Eu, Tonya’ tenta humanizar a imagem da ‘inimiga’ da América 
Fique por dentro da Olimpíada de PyeongChang em 18 números 
Noruegueses traídos pelo Google tradutor em PyeongChang



MaisRecentes

Hora da parada técnica



Continue Lendo

Vem aí um novo ídolo do esporte brasileiro: Hugo Calderano



Continue Lendo

Dez mulheres olímpicas que deixam o Brasil orgulhoso



Continue Lendo