Três chances para Robert Scheidt ficar ainda maior em sua história olímpica



O veterano Robert Scheidt inicia sua participação no Mundial de Laser nesta quarta-feira, no Japão (Crédito: Divulgação/Gabriel Heusi)

A partir desta quarta-feira (3), um dos gigantes da história olímpica do Brasil terá a chance de torna-se ainda maior. Em Sakaiminato (JAP), o Mundial da Classe Laser da vela será a primeira das três chances de Robert Scheidt assegurar seu lugar na Olimpíada de Tóquio-2020.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga

Só a possibilidade de Scheidt poder disputar uma nova Olimpíada já é espetacular. O velejador é, ao lado de Torben Grael, o maior ganhador de medalhas olímpicas do Brasil. Foram cinco no total, sendo duas de ouro (Atlanta-1996 e Atenas-2004), duas de prata (Sydney-2000 e Pequim-2008). Em sua sexta campanha olímpica, na Rio-2016, Scheidt passou em branco.

Em outubro de 2017, sem conseguir resultados em uma nova classe (a 49er), Robert Scheidt anunciou que estava desistindo de concorrer a uma vaga para a Olimpíada de Tóquio. Ele dizia que precisava dar mais tempo à família.

Mas o tempo sempre se encarrega de ser o melhor conselheiro. No caso de Scheidt, soma-se a isso um sonho de poder fazer história. Em fevereiro deste ano, ele anunciou que tentaria mais uma vez. Para isso, volta à Laser, classe que o consagrou em boa parte de sua carreira. Uma inédita sétima Olimpíada pode ser igualada apenas pela volante Formiga, da seleção feminina de futebol, que ainda está firme e forte.

Não será uma tarefa fácil para Scheidt. Aos 46 anos, ele tem a concorrência de rivais mais novos e motivados. Caso de João Pedro Souto de Oliveira, que foi quem assegurou a vaga do Brasil na Laser no Mundial do ano passado.

Para definir quem ficará com o lugar na classe em Tóquio-2020, a CBVela (Confederação Brasileira de Vela) criou um critério bem específico. Será uma autêntica “melhor de três” para definir o dono da vaga.

VEJA TAMBÉM:

Fome de recordes move Robert Scheidt rumo a Tóquio 
Volta de Scheidt será excelente para a vela do Brasil 
Na ela, Jorge Zarif garante 28ª vaga do Brasil em Tóquio-2020

No caso da Laser, o brasileiro melhor classificado no Mundial deste ano, contanto que esteja dentro do top 18 da competição, estará elegível para defender o país na Olimpíada. Ele só perderá a vaga se outro brasileiro for medalhista no evento-teste na raia de Enoshima, este ano, ou no Mundial de Laser de 2020.

Além de Robert Scheidt, estão de olho nesta vaga Bruno Fontes (campeão da Copa Brasil-2018, quando venceu o próprio Scheidt), João Pedro Souto de Oliveira e Philipp Grochtmann.

Se superar esta “melhor de três” e conseguir um lugar em Tóquio, Robert Scheidt comprovará que gênio é um adjetivo muito simples para defini-lo.



MaisRecentes

Saudades do Pan? Veja o calendário de eventos olímpicos até setembro



Continue Lendo

Confira os classificados do Brasil para a Olimpíada de Tóquio-2020



Continue Lendo