Empresa holandesa prevê Brasil no top 10, mas abaixo da meta do COB em 2016



Após o encerramento do Mundial de esportes aquáticos, realizados em Kazan (RUS), a empresa holandesa Infostrada, que faz análise de dados e estatísticas de eventos esportivos, atualizou sua previsão de medalhas para os Jogos Olímpicos do Rio 2016. E pelo levantamento divulgado, o Brasil conseguirá atingir a meta estabelecida pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil) e Ministério do Esporte de ficar no top 10 da classificação final das próximas Olimpíadas. Em compensação, com menos medalhas do que o esperado.

Desde o final dos Jogos de Londres 2012, tanto o COB quanto o Ministério vêm propagando que o objetivo do Brasil para o Rio 2016 será ficar entre os dez primeiros do quadro de medalhas, com um total de 27 pódios. Para isso, foi feito um investimento que supera a casa de R$ 1 bilhão para este ciclo olímpico, em investimentos  para incrementar a preparação dos atletas através dos planos Bolsa-Atleta, Bolsa-Pódio, patrocínios para confederações esportivas, compra de equipamentos esportivos, reformas e construções de centros de treinamentos, enfim, tudo que possa ajudar no aumento da contabilidade olímpica de medalhas.

Reprodução do quadro de medalhas para o Rio 2016, previsto pela empresa Infostrada

Reprodução do quadro de medalhas para o Rio 2016, previsto pela empresa Infostrada

Pelos dados do Infostrada divulgados, o Brasil conseguirá terminar no top 10 em 2016, mas terá 25 medalhas, duas abaixo do programado. Seriam, segundo a empresa holandesa, nove de ouro, 12 de prata e quatro de bronze. Isso é ruim se acontecer? Claro que não, visto que o máximo de pódios olímpicos obtidos pelo Brasil foram 17, justamente em Londres 2012.

>>> E mais: Ana Moser alerta sobre o futuro do legado olímpico dos Jogos do Rio 2016

Já escrevi e falei em palestras ou programas esportivos que considero a meta do top 10 ousada demais, porém não impossível de ser alcançada, justamente pelo fato dos Jogos Olímpicos serem realizados no Brasil. Se a tal meta vier com uma ou duas medalhas a menos, pouco importa. Mas prefiro aguardar um pouco mais antes de ficar brincando de Mãe Dinah.

Só dois detalhes inusitados em relação à previsão do Infostrada sobre as medalhas brasileira: entre as nove de ouro, uma viria do futebol masculino, e outra na ginástica artística com Diego Hypólito, no solo. Tanto a equipe masculina de futebol quanto o ginasta estão longe de passarem por suas melhores fases.

As 25 medalhas brasileiras previstas pelo Infostrada em seu último levantamento são as seguintes:

Ouro

  • Futebol masculino
  • Atletismo: Fabiana Murer – salto com vara
  • vôlei masculino
  • Vela: Martine Grael e Kahena Kunze – 49er FX feminina
  • Natação: Cesar Cielo – 50 m livre
  • Vôlei de praia masculino: Alisson/Bruno
  • Vôlei de praia feminino: Ágatha/Bárbara
  • Ginástica artística: Diego Hypólito – solo
  • Ginástica artística: Arthur Zanetti – argolas

Prata

  • Tênis: duplas masculina
  • Vôlei feminino
  • Natação: Bruno Fratus – 50 m livre
  • Boxe masculino: Robson Conceição – peso leve
  • Boxe feminino: Clélia Marques da Costa – peso mosca
  • Handebol feminino
  • Judô feminino: Érika Miranda – até 52 kg
  • Judô feminino: Mayra Aguiar – até 78 kg
  • Judô masculino: Rafael Silva – + 100 kg
  • Vôlei de praia feminino: Larissa/Talita
  • Luta livre feminina: Aline Silva – até 75 kg
  • Maratona aquática feminina: Ana Marcela Cunha

Bronze

  • Natação: Leonardo de Deus – 200 m borboleta
  • Judô feminino: Sarah Menezes – até 52 kg
  • Judô feminino: Maria Suellen Altheman – + de 100 kg
  • Luta livre feminina: Joice Silva – até 58 kg


MaisRecentes

Se revogar a suspensão da Rússia, o COI perderá o respeito no combate ao doping



Continue Lendo

As falhas de Isadora Williams não diminuem sua grandeza em PyeongChang



Continue Lendo

Campeã olímpica Rafaela Silva sofre racismo da PM no Rio de Janeiro



Continue Lendo