Rio-2016 dá um bico em tradição olímpica



O Museu do Amanhã, uma das obras da região portuária, onde ficará a pira olímpica (Crédito: Ricardo Cassiano/Prefeitura)

O Museu do Amanhã, uma das obras da região portuária do Rio de Janeiro, onde ficará instalada a pira olímpica (Crédito: Ricardo Cassiano/Prefeitura)

Nesta quarta-feira, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, confirmou que a pira olímpica dos Jogos Rio-2016 ficará instalada na região portuária da cidade, mais precisamente na Praça Mauá, próxima também de onde está o Museu do Amanhã, inaugurado este ano.  Coincidência ou não, na mesma local irá funcionar uma espécie de “boulevard olímpico”, com palco para shows e telões que irão exibir as competições olímpicas, numa área que faz parte do projeto de legado olímpico, que era o de revitalizar uma antiga parte degradada da cidade.

Certamente, o clima será de festa permanente, nos 17 dias de duração dos  Jogos. Mas a decisão dos organizadores significou na prática um bico na tradição olímpica.

>>> E mais: Troca de governo, e não do ministro do Esporte, é a maior ameaça à Rio-2016

Será a primeira vez na história dos Jogos de Verão em que o fogo olímpico ficará fora do estádio que recebeu as cerimônias de abertura e encerramento, além das provas de atletismo. Mas não foi a primeira vez que a chama olímpica ficou fora das dependências do estádio. Nos Jogos de inverno de Sochi 2014, a pira também ficou instalada fora da arena que recebeu a cerimônia de abertura. Com uma pequena diferença: o monumento com o fogo olímpico estava localizado ao lado do estádio olímpico.

Nos Jogos de inverno de Sochi, em 2014, a pira olímpica também ficou do lado de fora do estádio (Crédito: Reprodução)

Nos Jogos de inverno de Sochi, em 2014, a pira olímpica também ficou do lado de fora do estádio (Crédito: Reprodução)

No caso da Rio-2016, algumas peculiaridades ajudaram a que a decisão de deixar a pira na região portuária. A primeira delas é que não existe um estádio olímpico propriamente dito no Rio. O Maracanã receberá as cerimônias (abertura e encerramento) e as finais do futebol masculino e feminino. O atletismo, uma das modalidades mais tradicionais na Olimpíada, será disputado no estádio Nilton Santos, o Engenhão (ou Niltão, como os torcedores do Botafogo preferem chamá-lo).

Ainda que estas razões justifiquem a colocação da pira olímpica em um espaço distante de qualquer sede esportiva dos Jogos, para mim a solução encontrada foi  péssima. Talvez fosse ideal repetir o exemplo russo e deixar a pira olímpica em frente ao Maracanã, um símbolo do esporte mais popular do Brasil. Ou então, como sugeriram alguns colegas da redação do Lance!, deixar a chama acesa no Cristo Redentor.

Pelo visto, essa coisa de tradição anda meio fora de moda.

 



MaisRecentes

Hora da parada técnica



Continue Lendo

Vem aí um novo ídolo do esporte brasileiro: Hugo Calderano



Continue Lendo

Dez mulheres olímpicas que deixam o Brasil orgulhoso



Continue Lendo