Rio-2016 conta com ajuda do clima para combater epidemia de vírus zika



Entrada da Arena Carioca 3, uma das instalações que seguem em obras no Parque Olímpico. Crédito: Renato Sette/Prefeitura do RJ

Entrada da Arena Carioca 3, uma das instalações que seguem em obras no Parque Olímpico. Crédito: Renato Sette/Prefeitura do RJ

Apesar de ter como nome oficial “Jogos de Verão”, as Olimpíadas do Rio de Janeiro acontecerão oficialmente no inverno brasileiro, entre 5 e 21 de agosto. E será justamente o clima na cidade olímpica uma das principais armas que os organizadores contam para evitar aumento no número de casos de infecção pelo vírus zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. O vírus zika vem sendo apontado como responsável pelo aumento dos casos de bebês com microcefalia.

>>> E mais: Um erro que custou R$ 138 milhões

A situação é tão grave que o governo dos Estados Unidos emitiu na semana passada um alerta sobre a presença do vírus para 14 países das Américas do Sul, Central e do Caribe, incluindo o Brasil, constatando a presença do vírus. É claro que uma informação desta importância acaba causando algum impacto na expectativa da presença de público estrangeiro que pretende vir aos Jogos do Rio-2016, mas o comitê organizador acredita que não haverá problema durante as Olimpíadas. E mostra como pode ajudar a diminuir esse receio.

“Os Jogos acontecerão no inverno, período de menor proliferação do vírus, e isso certamente já irá ajudar a diminuir o número de casos”, explicou o diretor de comunicação do comitê Rio-2016, Mario Andrada. Não será apenas com o clima que os organizadores esperam evitar problemas causados pela epidemia do vírus zika, fato que desperta preocupação na maioria dos veículos de mídia estrangeiros. No evento para a imprensa realizado nesta terça-feira (19), em São Paulo, muitas perguntas dos correspondentes estrangeiros dizia respeito ao combate ao vírus.

>>> Leia também: Eduardo Paes e a memória seletiva

“O que já estamos fazendo para evitar surgimento de criadouros do mosquito, seguindo um protocolo da própria secretaria da Saúde do Rio, é fazer um monitoramento constante nas nossas áreas de competição, especialmente nos canteiros de obras. Em alguns destes casos, realizamos estas inspeções mais de uma vez por dia”, afirmou o diretor da Rio-2016.



MaisRecentes

Liberação da Fiba é o mais novo título mundial do basquete brasileiro



Continue Lendo

Herói olímpico dos EUA desafia escândalo sexual no Mundial de taekwondo



Continue Lendo

Com medalhista olímpico, Brasil estreia sábado no Mundial de taekwondo



Continue Lendo