Ressaca olímpica sem fim: maior equipe de atletismo do Brasil vai acabar este ano



Desde o fim dos Jogos Rio-2016, o que não faltam são notícias negativas a respeito do esporte olímpico do Brasil. Pois bem, o ano de 2018 mal completou sua primeira quinzena e eis que surge a primeira pancada. A maior equipe de atletismo do país, a B3, vai fechar as portas este ano.

A B3, antiga BM&F, reúne a elite do atletismo nacional. São 57 atletas, vários entre os principais do país na modalidade. Como por exemplo, Darlan Romani, quinto colocado no arremesso do peso na Rio-2016 ou Wagner Domingos, o Montanha, finalista do lançamento do martelo. A ex-saltadora Fabiana Murer, campeã mundial duas vezes (uma em pista coberta) no salto com vara, e os ex-fundistas Marílson dos Santos e Vanderlei Cordeiro, foram os principais nomes da equipe.

Pelo que o blog apurou, a intenção é que os atletas e os 13 treinadores sejam transferidos peara a Orcampi, de Campinas, espécie de equipe satélite da B3. Nesta temporada, eles deverão disputar as competições pelo novo clube, enquanto a B3 seguirá pagando os salários dos atletas na forma de patrocínio. Mais detalhes ainda serão anunciados nos próximos dias. Inclusive para definir qual será a utilização do belo centro de treinamento mantido pelo clube, em São Caetano do Sul.

Trata-se, sem dúvida, em um golpe duríssimo no atletismo brasileiro.

Confira o comunicado oficial da B3 a respeito do fim da equipe

“Com o objetivo de alinhar a estratégia de investimento social privado da B3 à evolução de sua cultura corporativa, a B3 Social (OSCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) passa a atuar a partir de 2018 direcionando seus recursos para atividades vinculadas a Educação e Formação de jovens para o trabalho. Educação é um eixo estratégico para a B3 e um tema que permeia o negócio. É parte do compromisso com o avanço dos mercados e, consequentemente, do País.

Com esta definição estratégica, tem início agora um processo de transição da B3 Atletismo. Em respeito a uma história de 30 anos no esporte, e a fim de conduzir essa transição com o menor impacto possível, a B3 Social continuará apoiando o atletismo com aportes financeiros ao longo de todo o ano de 2018 e está em tratativas para a doação de todo seu acervo esportivo a outras instituições tradicionais do atletismo. A B3 reconhece e agradece a grande contribuição de toda a equipe, gestores, parceiros, patrocinadores e a imprensa esportiva em todos esses anos.”

VEJA TAMBÉM:

Falta patrocínio no esporte brasileiro? O rúgbi não tem do que reclamar 
Ressaca olímpica começou mais cedo do que se imaginava 
Saída de Nuzman já repercute positivamente dentro das confederações