Recuo de cartolas a favor de mais atletas no COB foi por medo e não convicção



O presidente Paulo Wanderley irá comandar uma nova Assembleia Extraordinária (Crédito: Rafael Bello/COB)

A atitude tomada pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil) em convocar nova Assembleia Extraordinária para decidir sobre a presença de mais atletas com direito a voto na entidade tem que ser festejada. A pressão feita por parte da comunidade dos atletas olímpicos, na ativa e já aposentados, surtiu efeito. Mas é bom que ninguém se engane. Foi apenas o medo da repercussão negativa que motivou a mudança de posição de muitos destes dirigentes.

No fundo, nenhum deles acredita que a ampliação democrática na participação dos atletas dentro do colégio eleitoral do COB é aceitável. Foi assustador ler as justificativas de vários dos 15 presidentes de confederações, em matéria publicada na última segunda-feira pelo jornal O Globo, por terem votado contra a presença de 12 atletas na Assembleia Geral. “Falta de engajamento”, “comissão de atletas se legitimidade”, “não são organizados enquanto classe” foram algumas das desculpas  dadas.

Talvez a mais revoltante tenha sido a do representante da CBV (Confederação Brasileira de Vôlei), Neuri Barbieri, que na assembleia realizada na semana passada representou o presidente de sua entidade, Walter Pitombo Laranjeiras. “Ele me disse que achou cinco muito. Votaria por menos.”

A cartolagem não esperava que a mobilização dos atletas fosse tamanha. E o recuo acabou sendo a única alternativa, assim como a mudança nos discursos. Veja alguns exemplos:

“Com resultado do primeiro pleito, os atletas do wrestling em um primeiro momento questionaram o posicionamento da Confederação e depois concordaram com os argumentos que expus em defesa do primeiro voto, uma vez que não se sentem representados pela Comissão de Atletas. Por outro lado, o debate gerou uma reflexão. Se neste momento, os atletas do wrestling não se sentem  representados pela Comissão de Atletas, o aumento da participação para 1200% poderia gerar no futuro uma participação mais efetiva dos atletas da modalidade e a possibilidade de discutir e cobrar junto à Comissão de Atletas e ao COB melhorias para o wrestling.  Por isso decidimos em conjunto com os principais atletas da modalidade e da representante do atletas Joice Silva mudar o voto. “

Pedro Gama Filho, presidente da CBW (Confederação Brasileira de Wrestling), em mensagem enviada ao blog

“Em nenhum momento a CBV quis ser contra a participação efetiva dos atletas no processo de modernização esportiva nas instituições, principalmente na eleição do COB, tendo em vista que a própria CBV já incluiu no seu estatuto a participação com direito a voz e voto dos atletas e dos clubes. Essa interpretação iria na contramão de todas as readequações internas implementadas na CBV, buscando maior transparência e a participação de todos os segmentos que envolvem o voleibol brasileiro.

 Portanto, a CBV, considerando o posicionamento das comissões dos atletas de vôlei e as manifestações por anseio de mudanças de todos os segmentos envolvidos no esporte brasileiro, resolve reconsiderar o seu voto e manifestar que esta Confederação, através do Presidente Walter Pitombo Laranjeiras e do Vice-Presidente Neuri Barbieri, declara oficialmente que apoiará o COB na próxima AGE com a inclusão dos 12 atletas na sua reforma estatutária.”

Nota oficial publicada no site da CBV nesta terça-feira

A decisão do próximo dia 6, que deverá referendar a presença de 12 atletas com direito a voto na Assembleia Geral do COB, será histórica. Definitivamente, o esporte olímpico brasileiro passa por um momento de mudanças. Ainda bem.

VEJA TAMBÉM:

Comissão de Atletas precisa ir além das cartas para buscar seu espaço no COB 
Do que têm tanto medo os cartolas olímpicos brasileiros? 
Pressão por mudanças no COB chega até do ministério do Esporte 
O caminho para o COB iniciar uma nova era
COB não pode ser tímido em suas reformas



MaisRecentes

Qual sua dupla de mascotes preferida para os Jogos de Tóquio-2020?



Continue Lendo

Eliminação no Mundial precisa servir de aprendizado para o handebol do Brasil



Continue Lendo

Após modernizar estatuto, confederações concorrem a prêmio de governança



Continue Lendo