Blogs Lance!

Laguna Olímpico

Cartola projeta recorde de 30 ouros para o Japão nos Jogos de Tóquio-2020



A cada Olimpíada, há um comportamento que nunca muda. Os cartolas, não importa a nacionalidade, adoram fazer uma projeção de medalhas. Fica bacana nas manchetes, faz um agrado com os patrocinadores, é aquela festa. Só que depois, quando a tal meta não é alcançada, correm para dar as desculpas mas estapafúrdias. Esta situação não é diferente também com os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga 

Nesta sexta-feira, durante uma visita às obras do novo Estádio Nacional de Tóquio, que receberá a cerimônia de abertura, Yasuhiro Yamashita, chefe de esportes do Comitê Olímpico Japonês (JOC) foi simples e direto. Ele espera que os atletas japoneses quebrem o recorde de pódios em Olimpíadas, conquistando 30 medalhas de ouro em 2020. Nos Jogos do Rio-2016, o Japão levou para casa 12 medalhas douradas (de um total de 41).

Na história olímpica, a melhor performance japonesa é de 16 ouros, ocorrida em duas oportunidades: na primeira vez que recebeu os Jogos, em Tóquio-1964, e em Atenas-2004. A meta é tão ousada que se fosse alcançada na última Olimpíada, deixaria o Japão na segunda colocação geral do quadro de medalhas, atrás apenas dos Estados Unidos.

Yamashita, aos jornalistas, fez questão de avisar que a previsão expressava apenas sua opinião. “Acho que podemos fazer um cálculo de 2,5 vezes a mais sobre o resultado obtido no Rio de Janeiro. Mas isso é o que eu acho, não se trata de uma posição do comitê técnico. Vamos analisar os dados relevantes fazer uma previsão mais realista no ano que vem”, afirmou o dirigente, um ex-campeão olímpico, por sinal.  Na Olimpíada de Los Angeles-1984, ele faturou o ouro na categoria Absoluto, que não faz mais parte do programa dos Jogos.

O cartola japonês aposta que o anfitrião da próxima Olimpíada terá grandes chances de ter sucesso em modalidades como ginástica artística, judô, tênis de mesa, badminton e até no atletismo, modalidade em que o Japão vem obtendo bons resultados recentemente.

VEJA TAMBÉM:

Hipismo encaia novidades para Tóquio-2020. Até onde irá a revolução olímpica? 
Conheça os locais de treinamento do Brasil para a Olimpíada de Tóquio 
Com grana enxuta, atletismo brasileiro aposta em ‘meritocracia’ para Tóquio-2020 



MaisRecentes

O calote do Comitê Rio-2016 é uma vergonha que ficará para sempre



Continue Lendo

COI volta a se preocupar com os custos dos Jogos de inverno. Mas os de 2026



Continue Lendo

Pole dance, poker e pebolim (ou totó): mais novidades no programa olímpico?



Continue Lendo

Autor

Marcelo Laguna

É jornalista desde 1984, quando fez a cobertura dos Jogos Olímpicos de Los Angeles dos estúdios da Rádio Gazeta, em São Paulo. Desde então, participou da cobertura de todas as Olimpíadas, sendo quatro delas “in loco”: Atlanta 1996, Sydney 2000, Londres 2012 e Rio 2016. Cobriu também dois Jogos Pan-Americanos (1995 e 1999) e diversos Mundiais de basquete e outras competições de esportes olímpicos. Fez parte do grupo fundador do Lance!, onde trabalhou como editor entre 1997 e 2000 e entre 2015 e 2016. Trabalhou também na revista Placar, Gazeta Esportiva, Diário Popular, site SportsJá!, portal iG e Diário de São Paulo

mlaguna63@gmail.com

@MarceloLaguna