Rebeca Gusmão num beco sem saída



Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 20 de março

Choro não deve evitar a eliminação de Rebeca

Pode ter sido em vão a crise de choro da nadadora brasileira Rebeca Gusmão na última terça-feira, em seu depoimento à Corte Arbitral do Esporte (CAS), durante o julgamento do derradeiro recurso para reverter sua eliminação do esporte por dois casos de doping. Fontes ligadas ao CAS relatam que a chance de absolvição da nadadora são nulas e, desta forma, Rebeca permanecerá banida do esporte, por ter acumulado duas suspensões, de dois anos cada uma. Comenta-se nos bastidores do CAS que a defesa apresentada pelos advogados da nadadora não convenceram os juízes do caso, que estão convictos na culpa de Rebeca. A decisão será anunciada até o final de abril.

O drama de Rebeca Gusmão começou após sua impressionante atuação no Pan-Americano de 2007, onde conquistou quatro medalhas (duas de ouro, uma de prata e uma de bronze). Em maio do ano passado, a Federação Internacional de Natação (Fina) suspendeu Rebeca Gusmão pelo doping ocorrido no Pan-Americano, e em julho foi a vez de ser punida em virtude de seu exame ter dado positivo no Troféu Maria Lenk, de 2006. Em setembro, a Fina não aceitou os recursos para anular os dois processos e a brasileira acabou banida do esporte. Desde então, para manter a forma, Rebeca Gusmão disputa jogos de futebol feminino em uma liga amadora de Brasília.

Ausência esperada
Na semana passada, estava agendada uma reunião entre o Ministro do Esporte, Orlando Silva, o presidente do Confao (Conselho dos Clubes Formadores de Atletas Olímpicos), Sérgio Zech Coelho, e Carlos Nuzman, presidente do COB. Na pauta, a discussão sobre uma melhor distribuição da verba da Lei Piva, pedido feito pelo Confao, que deseja uma porcentagem do dinheiro das loterias. Só que a reunião não ocorreu. O motivo: o COB cancelou sua participação na última hora.

Por bem ou por mal
O presidente do Confao, Sérgio Zech Coelho, não ficou surpreso com a desistência de última hora. “Eles ficarão protelando o quanto puderem. Mas o pessoal do ministério do esporte já me disse que o processo será tocado com ou sem a presença do COB”

Inquisição nas piscinas
A oposição de Alberto Murray Neto à administração de Carlos Nuzman no COB continua rendendo polêmicas. Ele foi retirado da diretoria da Federação Aquática Paulista (FAP) pelo presidente Miguel Carlos Cagnoni. A justificativa, segundo Cagnoni: “Não posso ter um diretor que discorde do mandatário do esporte brasileiro. Esta briga é dele com o Nuzman, a FAP não tem nada com isso.” Revoltado com todo o episódio, o nadador Eduardo Fisher classificou a atitude como vergonhosa. “Tal qual o Tribunal da Inquisição fazia há muitos séculos atrás”, escreveu Fisher, em seu blog.

A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada às sextas-feiras no Diário de S. Paulo



MaisRecentes

Saída de Nuzman já repercute positivamente dentro das confederações



Continue Lendo

Basquete masculino brasileiro bebe na fonte certa para tentar se reerguer da crise



Continue Lendo

O calote do Comitê Rio-2016 é uma vergonha que ficará para sempre



Continue Lendo