A queda de Carlos Arthur Nuzman do comando do COB



Carlos Nuzman deixa sua casa detido pelos agentes da Polícia Federal (Crédito: AFP)

A saída de Carlos Arthur Nuzman da presidência do COB (Comitê Olímpico do Brasil) foi o fato mais relevante do esporte olímpico brasileiro em 2017. Isso é inquestionável, por mais triste que seja. O assunto ainda segue repercutindo na imprensa do Brasil, ainda mais nesta época em que são comuns as retrospectivas.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga 

Neste sábado (30), o site da revista Veja publicou um texto meu a respeito do caso. Abaixo o primeiro parágrafo:

“Nem em seus piores pesadelos Carlos Arthur Nuzman poderia imaginar um final de carreira como dirigente esportivo tão inglório. Aos 75 anos, o homem que durante 22 anos foi o presidente do COB (Comitê Olímpico do Brasil) e que liderou o comitê organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio-2016, viu tudo desabar em uma cela no presídio de Benfica, zona norte do Rio de Janeiro.”

Para ver o texto completo, clique aqui.

VEJA TAMBÉM:

Retrospectiva 2017: escolha o pior momento do esporte olímpico 
Retrospectiva 2017: escolha o melhor momento do esporte olímpico brasileiro 
Saída de Nuzman já repercute positivamente dentro das confederações 
A Queda da Bastilha do esporte brasileiro 
Que a limpeza não fique apenas em Coaracy Nunes 
Recuo de cartolas a favor de mais atletas no COB foi por medo e não convicção



MaisRecentes

Começa Mundial de wrestling e Brasil sonha repetir feito histórico



Continue Lendo

Qual o verdadeiro legado da Olimpíada da Juventude?



Continue Lendo

Família Oliveira brilha no boxe olímpico 50 anos depois



Continue Lendo