Pré-Olímpico de basquete: Brasil massacra Fiji e decide seu grupo contra a Espanha



A seleção brasileira feminina confirmou o favoritismo e massacrou a simplória Ilhas Fiji por 125 a 45 (60 a 24 no primeiro tempo), em sua estréia no Pré-Olímpico Mundial de basquete, que está sendo realizado em Madri.

Foi na verdade um belo treino para o time brasileiro, que em nenhum momento foi ameaçado pela equipe da Oceania, formada por jogadoras que se atrapalham nos fundamentos mais básicos do basquete.

Só que nesta quarta-feira, a conversa será diferente: a partir das 7h45 (horário de Brasília), o Brasil decidirá contra a forte Espanha o primeiro lugar do Grupo C. E com certeza as brasileiras não encontrarão a moleza que tiveram nesta terça-feira.

No primeiro tempo, a seleção simplesmente passeou pela Arena Telefonica, em Madri (aliás, como é triste ver as arquibancadas de um torneio tão importante como o Pré-Olímpico Mundial vazias). O time das Ilhas Fiji é de uma ingenuidade de dar dó, errando fundamentos básicos como uma simples bandeja.

É verdade que no primeiro quarto, com as titulares em quadra, o desempenho ofensivo foi um pouco melhor. Ainda assim, as reservas mantiveram o ritmo e mesmo perdendo bandejas fáceis, conseguiram fechar a primeira etapa com uma tranqüila vantagem de 60 a 24. Na etapa fional, a seleção manteve o ritmo de treino e conseguiu aumentar ainda mais a diferença, cravando o placar mais elástico no torneio até agora.

Pontos postivos da vitória brasileira: o aproveitamento de todas as jogadoras; individualmente, a ala Iziane e a pivô Mamá foram os destaques, marcando respectivamente 28 e 22 pontos cada uma.

Pontos negativos da vitória brasileira: em razão da ansiedade da estréia e até mesmo da fragilidade do adversário, as jogadoras da seleção acabaram errando em demasia lances livres e forçando demais nos chutes de três pontos.

Confira aqui os resultados do Pré-Olímpico feminino.


MaisRecentes

Sonho de Budapeste para os Jogos de 2024 pode terminar nesta quarta-feira



Continue Lendo

Falta patrocínio no esporte brasileiro? O rúgbi não tem do que reclamar



Continue Lendo

Oscar Schmidt no All-Star da NBA alivia a depressão do basquete brasileiro



Continue Lendo