Pré-Olímpico de basquete: Brasil massacra Fiji e decide seu grupo contra a Espanha



A seleção brasileira feminina confirmou o favoritismo e massacrou a simplória Ilhas Fiji por 125 a 45 (60 a 24 no primeiro tempo), em sua estréia no Pré-Olímpico Mundial de basquete, que está sendo realizado em Madri.

Foi na verdade um belo treino para o time brasileiro, que em nenhum momento foi ameaçado pela equipe da Oceania, formada por jogadoras que se atrapalham nos fundamentos mais básicos do basquete.

Só que nesta quarta-feira, a conversa será diferente: a partir das 7h45 (horário de Brasília), o Brasil decidirá contra a forte Espanha o primeiro lugar do Grupo C. E com certeza as brasileiras não encontrarão a moleza que tiveram nesta terça-feira.

No primeiro tempo, a seleção simplesmente passeou pela Arena Telefonica, em Madri (aliás, como é triste ver as arquibancadas de um torneio tão importante como o Pré-Olímpico Mundial vazias). O time das Ilhas Fiji é de uma ingenuidade de dar dó, errando fundamentos básicos como uma simples bandeja.

É verdade que no primeiro quarto, com as titulares em quadra, o desempenho ofensivo foi um pouco melhor. Ainda assim, as reservas mantiveram o ritmo e mesmo perdendo bandejas fáceis, conseguiram fechar a primeira etapa com uma tranqüila vantagem de 60 a 24. Na etapa fional, a seleção manteve o ritmo de treino e conseguiu aumentar ainda mais a diferença, cravando o placar mais elástico no torneio até agora.

Pontos postivos da vitória brasileira: o aproveitamento de todas as jogadoras; individualmente, a ala Iziane e a pivô Mamá foram os destaques, marcando respectivamente 28 e 22 pontos cada uma.

Pontos negativos da vitória brasileira: em razão da ansiedade da estréia e até mesmo da fragilidade do adversário, as jogadoras da seleção acabaram errando em demasia lances livres e forçando demais nos chutes de três pontos.

Confira aqui os resultados do Pré-Olímpico feminino.


MaisRecentes

Ao tentar inovar, Fiba cria uma grande confusão no basquete mundial



Continue Lendo

Comissão de Atletas precisar ir além das cartas para buscar seu espaço no COB



Continue Lendo

Do que têm tanto medo os cartolas olímpicos brasileiros?



Continue Lendo