Picaretagem abala o judô



Se fosse vivo hoje, certamente o simpático senhor aí da foto ao lado estaria envergonhado. Criado no Japão em 1882 pelo professor Jigoro Kano, o judô sempre teve sua imagem associada à disciplina e fortalecimento espiritual. Porém, não é exatamente isso que estamos vendo às vésperas do início do Mundial do Rio de Janeiro, que começa nesta quinta-feira.

Primeiro, foi a estranha renúncia do presidente da Federação Internacional de Judô (FIJ), o sul-coreano Park Youngsung, ocorrida na última sexta-feira. O histórico do dirigente não era nenhuma maravilha, pois já havia sido suspenso pelo COI (Comitê Olímpico Internacional) por irregularidades em sua gestão.

Mas não parou por aí. A edição de hoje do jornal Folha de São Paulo mostra que o tesoureiro da FIJ, o boliviano Edgar Claure, simplesmente desapareceu com US$ 400 mil (quase R$ 800 mil). Após participar do congresso que elegeu o novo presidente da FIJ (o austríaco Marius Vizer), ele deixou o hotel onde estava hospedado, no Rio, e não deu mais sinal de vida.

A picaretagem deu um ippon no judô.


  • Marco Pereira

    Quer dizer que o boliviano deu o Kano com o dinheiro da Federação?Chora, Jigoro!

MaisRecentes

Ao tentar inovar, Fiba cria uma grande confusão no basquete mundial



Continue Lendo

Comissão de Atletas precisar ir além das cartas para buscar seu espaço no COB



Continue Lendo

Do que têm tanto medo os cartolas olímpicos brasileiros?



Continue Lendo