Pequim-08: Seleção feminina de basquete perde na prorrogação e se complica



Está certo que foi feita uma renovação radical na equipe, trocando nada menos do que sete jogadoras em relação às últimas Olimpíadas, em Atenas. Além disso, o time chegou para os Jogos de Pequim sem sua principal cestinha (Iziane), afastada por indisciplina, e sem sua melhor pivô (Erika), contundida. Tudo isso, contudo, não justifica a estréia bisonha da seleção feminina de basquete.

A derrota por 68 a 62 para a Coréia do Sul na prorrogação, após um empate de 55 a 55 no tempo normal, complicou e muito a situação do Brasil nas Olimpíadas. Isso porque as sul-coreanas eram, teoricamente, as adversárias mais fracas que a seleção teria pela frente em seu grupo. E nem delas o time comandado por Paulo Bassul conseguiu vencer. E o que irá fazer diante da Austrália (campeã mundial), Rússia (campeã européia) e até mesmo Bielorrússia e Letônia?

E se levar em conta a quantidade de erros cometidos pelas brasileiras, especialmente no último quarto e na prorrogação, não dá para botar fé no time de Paulo Bassul. Contra a Coréia, foram 29 bolas perdidas ao longo do jogo e somente 35% de aproveitamento nos arremessos de quadra. Lamentável!

Foto: Mamá e Kelly tentam bloquear a sul-coreana Jung Sunmin
Crédito: divulgação



MaisRecentes

Se revogar a suspensão da Rússia, o COI perderá o respeito no combate ao doping



Continue Lendo

As falhas de Isadora Williams não diminuem sua grandeza em PyeongChang



Continue Lendo

Campeã olímpica Rafaela Silva sofre racismo da PM no Rio de Janeiro



Continue Lendo