Pequim-08: e as medalhas brasileiras?



No Brasil, ao contrário da China, a situação é um pouquinho diferente…

Apesar do dinheiro injetado pela Lei Piva, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) não destinou nenhuma verba para premiar as conquistas brasileiras em Pequim, deixando este papel de mecenas para as respectivas confederações.

O vôlei, modalidade esportiva mais organizada do país, iria pagar R$ 4,75 milhões para a conquista da medalha de ouro. Não deverá pagar nada pela prata. As garotas da seleção feminina, que pela primeira vez faturaram o título olímpico, irão receber cerca de metade do prêmio dos homens (R$ 2,4 milhões).

A fantástica medalha do nadador César Cielo nos 50m livre não terá qualquer tipo de premiação da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA). Até agora, o presidente da entidade, Coaracy Nunes, não anunciou se haverá prêmio em dinheiro pelo desempenho de Cielo (que também foi bronze nos 100m livre).

Os judocas Leandro Guilheiro, Tiago Camilo e Ketleyn Quadros receberão R$ 20 mil por suas medalhas de bronze da Confederação Brasileira de Judô (CBJ).

Por fim, ainda não foi confirmado se a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) de São Paulo fará sua tradicional premiação aos medalhistas olímpicos, a exemplo do que ocorre desde os Jogos de Seul-88, quando a entidade distribuiu barras de ouro a todos os atletas que ganharam medalhas.

Os medalhistas individuais recebem barras de ouro de um quilo; os de prata, 500 gramas; e os de bronze, 250 gramas. Nos esportes coletivos, todos os atletas são premiados, mas recebem uma quantia menor (250 gramas). Entre os Jogos de 88 e 2004, a BM&F já premiou os medalhistas brasileiros com 55,75 quilos de ouro.

Foto: divulgação/COB



MaisRecentes

Se revogar a suspensão da Rússia, o COI perderá o respeito no combate ao doping



Continue Lendo

As falhas de Isadora Williams não diminuem sua grandeza em PyeongChang



Continue Lendo

Campeã olímpica Rafaela Silva sofre racismo da PM no Rio de Janeiro



Continue Lendo