Pequim-08: corte de Juliana demorou até demais para acontecer



A notícia da desistência de Juliana em participar do torneio feminino de vôlei de praia dos Jogos Olímpicos de Pequim não deve surpreender ninguém.

A parceira de Larissa, com quem forma uma das melhores duplas do mundo, não conseguir superar, apenas na base de fisioterapia e de uma “joelheira mágica” a séria contusão no joelho direito ocorrida há um mês, na etapa de Paris do Circuito Mundial.

Após um treino realizado terça à noite, Juliana sentiu dores e preferiu abrir mão da vaga. Mas será que precisaria esperar até o último momento para ver que ela não tinha nenhuma condição de jogar?

Ninguém discute o direito de cada atleta lutar até quando puder para participar de uma competição tão importante quanto as Olimpíadas. Mas neste caso parece que o aspecto emocional acabou pesando e o profissional foi deixado de lado. E se ela resolvesse mesmo jogar e, na estréia, o joelho sofresse uma lesão ainda mais grave?

Pior ainda é que Ana Paula, substituta de Juliana, terá que viajar às pressas e mal terá tempo para treinar ao lado de Larissa para a estréia nos Jogos, no sábado.

Foto: Larissa e Juliana, durante o Pan do Rio, em 2007



MaisRecentes

Ao tentar inovar, Fiba cria uma grande confusão no basquete mundial



Continue Lendo

Comissão de Atletas precisar ir além das cartas para buscar seu espaço no COB



Continue Lendo

Do que têm tanto medo os cartolas olímpicos brasileiros?



Continue Lendo