Pequim-08: Cadê as amarelonas, hein?



Nos últimos quatro anos, as jogadoras da seleção brasileira feminina de vôlei foi obrigada a conviver com um destes rótulos que torcedores e jornalistas adoram pregar em equipes que não conseguem títulos: amarelonas.

E motivos para isso não faltavam, em especial o jogo semifinal diante da Rússia, nos Jogos de Atenas-04, quando o time brasileiro tinha 24/19 no quarto set e levou a virada.

Também falharam no Mundial-06, no Japão, e no Pan-Americano-07…

Só que hoje não era dia de falhar. Não este time, que até o jogo deste sábado não havia perdido um único set em todo o torneio olímpico. E mesmo com a derrota no segundo set, as brasileiras não se abalaram e conseguiram manter o jogo sob controle.

Um placar de 3 sets a 1 (25/15, 18/25, 25/13 e 25/21) para não deixar margem para constestação.

O vôlei feminino do Brasil conseguiu alcançar sua glória maior, uma medalha de ouro inédita, talvez a mais merecida nestes Jogos. E um prêmio para o comandante deste time, José Roberto Guimarães, o único treinador a se tornar campeão olímpico dirigindo equipes masculina e feminina.

Quem é que era amarelona mesmo?

Foto: Divulgação/FIVB



MaisRecentes

Ao tentar inovar, Fiba cria uma grande confusão no basquete mundial



Continue Lendo

Comissão de Atletas precisar ir além das cartas para buscar seu espaço no COB



Continue Lendo

Do que têm tanto medo os cartolas olímpicos brasileiros?



Continue Lendo