Otimismo e realidade para 2016



Coluna Diário Esportivo,publicada na edição de 19 de junho de 2009

Entre sorrisos e aplausos, os integrantes da candidatura do Rio para a disputa da sede das Olimpíadas de 2016 deixaram confiantes a sede do COI (Comitê Olímpico Internacional), em Lausanne, na Suíça, após a sabatina realizada na última quarta-feira com os membros eleitores da entidade, junto com as outras três cidades candidatas. Serão estes eleitores que em setembro votarão na escolha da cidade que acolherá a 31 edição dos Jogos Olímpicos.

Para os representantes brasileiros, que contaram com um inflamado discurso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva dias antes em defesa da proposta carioca e também com os dados positivos da economia nacional exibidos pelo presidente do Banco Central, Henrique Meireles, o saldo da sabatina foi extremamente positivo. Esta impressão foi justificada pelo fato de não ter sido feita nenhuma pergunta sobre o crítico problema da falta de segurança na capital carioca, além de alguns aplausos ao presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, quando ele mostrou um mapa-múndi apontando todas as sedes olímpicas da história e destacando que a América do Sul nunca recebeu o evento.

O problema é que a lógica do COI não funciona através de simpatia. Sites especializados em analisar candidaturas olímpicas apontam que cresceu muito a força de Chicago, graças ao apoio do presidente americano Barack Obama. Outros garantem que Madri está forte pelo lobby do ex-presidente do COI, Juan Samaranch. Há uma bela distância entre o otimismo tolo e a dura realidade.

A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada todas às sextas-feiras no Diário de S. Paulo



MaisRecentes

Jornal canadense levanta dúvidas sobre caso Ben Johnson



Continue Lendo

Vitória histórica pode fazer Brasil superar ‘grupo da morte’ no Mundial de handebol



Continue Lendo