O dia em que fiquei feliz por um recorde não ser quebrado



Pedro Pablo Pichardo completa um de seus saltos, na final do salto triplo do Pan de Toronto. Crédito: Getty Images

Pedro Pablo Pichardo completa um de seus saltos, na final do salto triplo do Pan de Toronto. Crédito: Getty Images

Nesta sexta-feira, comentando pela Record News as provas do atletismo dos Jogos Pan-Americanos de Torontotive o privilégio de ver em ação uma das grandes estrelas da modalidade no momento, o cubano Pedro Pablo Pichardo. Dono da melhor marca do ano no salto triplo, com 18,08m, Pichardo é considerado por muitos como candidato natural a quebrar o recorde mundial que já dura há 20 anos, do inglês Jonathan Edwards, com a incrível marca de 18m29.

Que Pichardo venceria a prova era uma verdadeira barbada. Ele está a quilômetros de distância de todos os demais adversários, tanto que logo no primeiro salto, ao cravar 17,29m, mostrou que só um desastre tiraria o ouro de suas mãos. Por isso, a principal atração passou a ser outra: em que momento ele iria superar o recorde pan-americano da prova, que foi batido há 40 anos por ninguém menos do que João Carlos de Oliveira, o João do Pulo.

A marca histórica do triplista brasileiro, que morreu devido a uma cirrose hepática em 1999, foi obtida no Pan da Cidade do México, em 1975. Foi um salto que espantou o mundo, 17,89 m. Embora contasse com a ajuda da altitude, o fato é que enquanto esteve na ativa, ninguém ameaçou chegar perto da marca de João do Pulo, que era igualmente talentoso no salto em distância.

João Carlos de Oliveira, o João do Pulo, salta para bater o recorde mundial do salto triplo. Crédito: Claudinê Petroli/AE

João do Pulo, salta para bater o recorde mundial do salto triplo, no Pan de 1975. Crédito: Claudinê Petroli/AE

A marca mundial só foi batida em 1985, pelo americano Willie Banks, quando o brasileiro já havia abandonado as competições, devido a um acidente de carro que lhe tirou uma das pernas, mas o recorde do Pan vem resistindo bravamente nas últimas quatro décadas.

>>> E mais: Pichardo chega para pulverizar os recordes no salto triplo

Em um dos meus comentários nesta sexta-feira, disse que havia uma grande possibilidade da marca ser superada por Pichardo. Até torcia para que isso acontecesse, pois daria um sabor a mais para a transmissão. Mas após queimar o  seu segundo salto, cravou 17,46 m e 17,54 m, dando a pinta de que conseguiria mesmo derrubar o recorde de João. Contudo, à medida em que a prova se desenvolvia, passei a ter um sentimento estranho, como se algo meu muito querido
estivesse sendo retirado.

Pichardo abriu mão do quinto salto e no último, cravou 17,34 m, encerrando sua participação e deixando intacto, ao menos pelos próximos quatro anos, o recorde pan-americano de João Carlos de Oliveira.

Ainda bem.



MaisRecentes

As falhas de Isadora Williams não diminuem sua grandeza em PyeongChang



Continue Lendo

Campeã olímpica Rafaela Silva sofre racismo da PM no Rio de Janeiro



Continue Lendo

Heróis de PyeongChang #5: seleção americana feminina de hóquei no gelo



Continue Lendo