Nuzman reinventa a matemática para inflar a participação do Brasil em Pequim



Incrível o trabalho que o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, teve para tentar explicar a participação brasileira nos Jogos Olímpicos de Pequim, encerrados domingo e que tiveram uma modesta coleta de medalhas por parte do Brasil: 15 no total (igualando Atlanta-96), sendo três de ouro, quatro de prata e oito de bronze. Segundo o dirigente, numa coletiva em que fez um balanço do Brasil nos Jogos, houve uma inquestionável evolução.

“O crescimento esportivo de um país não deve ser medido apenas por medalhas. A presença de um maior número de atletas e de modalidades em finais olímpicas indicam a evolução qualitativa do esporte brasileiro nas últimas quatro edições dos Jogos Olímpicos”, enalteceu Nuzman, lembrando que o país chegou a 38 finais (contra 30 de Atenas-04), além deter conquistado três medalhas de ouro inéditas (César Cielo/natação, Maurren Maggi/atletismo e vôlei feminino).

Porém, o cartola usou dois critérios diferentes ao analisar os pódios brasileiros. Por exemplo, exaltou que o Brasil ficou em 17º lugar na classificação por total de medalhas e que terminou à frente de Cuba em relação a ouros conquistados. Engraçado é que no total de medalhas, os cubanos ficaram à frente (24 contra 15)…

O problema é que todo este exercício matemático cai por terra quando confrontamos o desempenho olímpico brasileiro ao investimento federal na delegação. Nunca antes na história deste país (como diria o presidente Lula) se colocou tanto dinheiro em uma delegação esportiva. Neste ciclo olímpico (2005-08), o esporte de alto rendimento recebeu cerca de R$ 1,2 bilhão, incluídos aí verba da Lei Piva, lei de incentivo fiscal, patrocínios estatais e programa Bolsa Atleta, segundo reportagem desta segunda-feira, na Folha de S. Paulo.

Com tanto dinheiro assim, seria natural esperar uma participação melhor e em uma quantidade maior de modalidades. Mas o que se viu foram os mesmos esportes sendo premiados (vôlei, vôlei de praia, natação, iatismo, judô, atletismo, futebol), com o taekwondo sendo a exceção.

Para Londres-2012, que se faça um controle mais rígido do destino das verbas públicas no investimento olímpico, com a instalção de um programa de metas. Ou do contrário, daqui a quatro anos estaremos festejando os poucos heróis olímpicos de sempre e chorando as medalhas perdidas.



  • Caro Laguna, aqui vai um comentário de um cidadão brasileiro e torcedor do país em Olimpíadas. Foram-se muitos atletas a Pequim e a participação do país foi pífia. Resumindo: muitos atletas de baixo nível foram para os Jogos Olímpicos e isso pesa no orçamento do país. No popular, sai muita grana do bolso da gente para levar uma “renca” de atletas para as Olimpíadas. No final, o custo-benefício é péssimo…Defendo que apenas os atletas de ponta sigam para os Jogos Olímpicos. O resto da grana pode ser investida na base. Não em atletas já formados, mas sim em potenciais atletas, na garotada mesmo… Porém, a discussão aí deveria ser ampla e bem mais global do que se possa imaginar. A começar pela volta da obrigatoriedade das aulas de educação física nas escolas…Então, sem rodeios… defendo que viajem apenas os atletas de ponta e que se gaste menos. A grana não pode ser torrada como vem sendo feito há anos. E acredito que o presidente do COB poderia largar o osso e passar o bastão. Tudo tem seu tempo. Creio que a hora do Nuzman já passou…É isso…AbraçoFábio Salgueiro

MaisRecentes

Se revogar a suspensão da Rússia, o COI perderá o respeito no combate ao doping



Continue Lendo

As falhas de Isadora Williams não diminuem sua grandeza em PyeongChang



Continue Lendo

Campeã olímpica Rafaela Silva sofre racismo da PM no Rio de Janeiro



Continue Lendo