Nuzman descola uma boquinha no Hall da Fama do vôlei



Pode-se gostar ou não de Carlos Arthur Nuzman, mas em algumas ocasiões é impossível não tirar o chapéu para o sujeito. Em um release divulgado pela assessoria de imprensa do Comitê Olímpico Brasileiro, fiquei sabendo que Nuzman passará a integrar o Hall da Fama do vôlei, em cerimônia marcada para o próximo dia 11, na cidade de Holyoke, Massachusetts (EUA), terra na qual o esporte foi criado em 1885.

O feito é ainda mais impressionante porque Nuzman será o primeiro dirigente esportivo do mundo a entrar para a galeria dos heróis do vôlei mundial. A justificativa para tamanha deferência? O trabalho desenvolvido no vôlei brasileiro de 1975 a 1996, quando esteve no comando da modalidade, e pela transformação do vôlei de praia em modalidade olímpica a partir de Atlanta-96.

Então tá bom. Não que ele não tenha mérito algum, mas foram as mãos de Nuzman que bloquearam bolas ou fizeram ataques indefensáveis? Foi o Nuzman ou a turma de William, Montanaro, Renan e Bebeto de Freitas que tornou o vôlei um esporte conhecido do grande público?

A torcida vibrou com os eloqüentes discursos de Nuzman ou com o time de ouro de Barcelona, com os geniais Maurício, Tande, Giovane, Carlão e Zé Roberto Guimarães? E o que emocionou mais: as ações de Nuzman como administrador ou o time quase imbatível de Ricardinho, Escadinha, Giba, Gustavo, Nalbert e Bernardinho?

E cá entre nós, homenagear cartola é coisa que se preze para uma entidade como o Hall da Fama?



  • Já pensou o Eurico Miranda num hall da fama do futebol?

MaisRecentes

O calote do Comitê Rio-2016 é uma vergonha que ficará para sempre



Continue Lendo

COI volta a se preocupar com os custos dos Jogos de inverno. Mas os de 2026



Continue Lendo

Pole dance, poker e pebolim (ou totó): mais novidades no programa olímpico?



Continue Lendo