NBA vai desfalcar o Mundial da Turquia



Atualizado em 20/7, às 22h41

Manu Ginobili, Paul Gasol, Andrei Kirilenko, LeBron James, Kobe Bryant, Dirk Nowitzki e Amare Stoudemire. O que todos estes nomes têm em comum? Todos atuam na NBA, a meca do basquete mundial. E todos também não disputarão o Campeonato Mundial da Turquia, que começará a partir do dia 28 de agosto. Sorte da NBA e azar de quem irá acompanhar o torneio organizado pela Fiba.

O último a pular do barco foi o americano Stoudimere, que pediu dispensa da seleção dos EUA nesta terça-feira à noite por não ter obtido um seguro médico exigido pelas equipes da NBA.

Ainda nesta terça, o alemão Nowitzki também anunciou que não vai disputar o Mundial da Turquaia. O motivo foi que ele pretende se poupar para a próxima temporada da NBA, após ter renovado seu contrato com o Dallas Mavericks por mais quatro anos.

Os motivos alegados pelos demais jogadores citados no post, variando uma ou outra palavra, são os mesmos.. Tudo bem que o sujeito precisar respeitar quem lhe paga os (altos) salários, mas a verdade é que a NBA está se tornando uma pedra no sapato dos torneios da Fiba.

Enquanto os problemas se restringiam aos norte-americanos, ninguém estava tão preocupado assim. Tudo bem que eram estrelas que fariam falta a um Mundial ou aos Jogos Olímpicos, mas era um problema para apenas uma seleção.

Só que a NBA está cada vez mais internacionalizada. As portas das equipes estão abertas a jogadores do mundo inteiro. E isso significa que os principais jogadores do mundo começam a ser afetados pelo calendário massacrante da liga americana e pela pressão dos clubes, que pagam muito dinheiro por estes mesmos jogadores.

Não deixa de ser irônico que a Fiba, que durante muito tempo procurou estreitar as relações com a NBA e atrair as maiores estrelas do basquete do planeta para suas competições, aceitando inclusive mudar algumas regras (a divisão do jogo em quatro quartos, limite de 24 segundos para o arremesso, distância da linha de três pontos etc), esteja sofrendo na pele os efeitos negativos desta política de aproximação.

Bom para o Brasil, que tem seus quatro jogadores que atuam na NBA – Nenê, Leandrinho, Anderson Varejão e agora Tiago Splitter – confirmados no Mundial.



MaisRecentes

Glória do Pan de 1987 tem que ser exaltada por muitos anos



Continue Lendo

Isaquias Queiroz vai aumentar sua coleção de medalhas no Mundial de canoagem?



Continue Lendo

Brasil estreia em mundiais de badminton e wrestling nesta segunda



Continue Lendo