Mundial feminino de basquete: perigo à vista



Adrianinha falhou no momento decisivo do jogo contra a Coreia/Crédito: CBB

Não poderia ter sido pior a estreia da seleção feminina de basquete no Campeonato Mundial da República Tcheca. Sinceramente, não sei ainda o que foi pior: a derrota para uma equipe frágil, porém aplicada, como a Coreia do Sul, ou a verdadeira lambança tática promovida pelo espanhol Carlos Colinas, o técnico escolhido pela CBB (leia-se Hortência Marcari) para comandar a equipe, no lugar de Paulo Bassul.

É inaceitável, sob qualquer argumento, que a seleção brasileira perca uma partida marcando apenas 60 pontos. É mais inaceitável ainda que uma jogadora com a experiência da armadora Adrianinha perca uma bola como aquela, nos segundos finais de jogo. Sem contar que Iziane e Érika, as jogadoras de maior qualidade técnica na seleção, ainda estão desentrosadas, por culpa do calendário maluco da Fiba, que marcou o início do Mundial próximo das finais da WNBA.

É bom Carlos Colinas abrir o olho. Nesta sexta-feira, contra Mali, a obrigação é vencer, e por uma bela margen de pontos. Dpeois, no sábado, diante da forte Espanha, seja o que Deus quiser. Está pintando uma classificação em terceiro lugar na chave, o que atrapalhará bastante os planos das brasileiras para avançar no Mundial.



MaisRecentes

Isaquias Queiroz vai aumentar sua coleção de medalhas no Mundial de canoagem?



Continue Lendo

Brasil estreia em mundiais de badminton e wrestling nesta segunda



Continue Lendo