Saída de Morten Soubak será um grande erro



Morten Soubak

O técnico dinamarquês Morten Soubak foi responsável pela evolução do handebol feminino no Brasil (Crédito: Inovafoto)

Entre tantos problemas que a ressaca olímpica do esporte brasileiro após a Rio-2016 vem trazendo, um dos mais lamentáveis está bem perto de acontecer. A notícia da possível saída do dinamarquês Morten Soubak do comando da Seleção Brasileira feminina de handebol representará um retrocesso de pelo menos uma década na modalidade no país.

Se o handebol feminino brasileiro atingiu o status de estar entre as principais potências do mundo, boa parte deve-se ao trabalho do dinamarquês, que chegou ao país há mais de dez anos, criando vínculos até fora das quadras.

Tornou-se torcedor do São Paulo, casou-se com uma baiana e teve filho por aqui. Nos últimos oito anos, vem comandando com competência a Seleção Brasileira feminina, tendo como ponto alto a conquista do título mundial de 2013, na Sérvia. Na Rio-2016, o Brasil era cotado para chegar ao pódio, mas acabou eliminado nas quartas de final, para a Holanda.

VEJA TAMBÉM:

>>> Desilusão olímpica 
>>> O que esperar da ‘nova’ Era Nuzman? 
>>> Crise na CBDA é o mais novo “legado olímpico” brasileiro

Embora houvesse uma promessa do próprio Soubak em renovar seu vínculo, que termina em dezembro próximo, algum ruído ocorreu neste meio de caminho. Uma pista pode ser a relação entre o treinador e o presidente da Confederação Brasileira de Handebol (CBHb), Manoel Luiz Oliveira.

Após a surpreendente eliminação para a Romênia nas oitavas de final do Mundial 2015, o dinamarquês chegou a fazer declarações fortes criticando a estrutura do handebol no Brasil, dizendo que o título obtido dois anos antes teve efeito praticamente nulo para a realidade da modalidade.

Obviamente que Oliveira não gostou. A proximidade da Rio-2016 evitou maiores crises. Agora, a situação mudou.

Por mais que tente colocar panos quentes, Oliveira não disfarça a pouca preocupação com a permanência de Soubak. “Nunca disse que ele ia sair, nem que ia ficar. É uma questão que não se pode afirmar. Pode ser que ele fique? Sim. Pode ser que não? Também”, disse o dirigente ao LANCE!

A exigência de Oliveira é contar com um treinador para trabalhar no próximo ciclo olímpico, ou seja, ou Soubak acerta sua renovação ou a CBHb terá que partir para uma nova opção. Não se pode desprezar em toda essa história um possível convite que o dinamarquês teria recebido para comandar a seleção de Angola.

A possível “despedida” de Soubak pode acontecer na disputa do Torneio Quatro Nações, no início de dezembro, em Belém (PA).

A única certeza é que se tudo caminhar para o rompimento, o handebol do Brasil será o maior perdedor sem Morten Soubak.