Monocultura esportiva segue firme



Thiago Braz, ouro no salto com vara na Rio-2016

A história do ouro de Thiago Braz na Rio-2016 não renderia um belo filme? (Crédito: Alexandre Loureiro/Exemplus/COB)

Se por um acaso alguém me pedisse uma sugestão para fazer o roteiro de um documentário sobre os Jogos Olímpicos Rio-2016, certamente teria problemas para definir o tema. Momentos inesquecíveis não faltam.

Por exemplo, alguém vai discordar que não daria um belo especial a história da conquista do improvável ouro de Thiago Braz, no salto com vara? Ou a vitória que significou a ressurreição de Rafaela Silva, no judô, após ser destruída nas redes sociais pelo fiasco em Londres-2012?

VEJA TAMBÉM:

>>> Crise na CBDA é o mais novo “legado olímpico” brasileiro
>>> Ressaca olímpica começou mais cedo do que se imaginava
>>> Fabiana Murer paga preço alto pela nossa monocultura esportiva

Será que não valeria a pena contar também a história do incrível Isaquias Queiroz? Claro que sim. O bom baiano que conquistou o Brasil com suas três medalhas (duas de prata e uma de bronze) na Olimpíada? Ou então relatar a saga do tricampeonato olímpico do vôlei masculino, quando muitos davam como certa a eliminação ainda na fase de grupos?

Ainda poderia citar o ouro inédito de Robson Conceição, no boxe, ou o primeiro ouro da vela feminina, com Martine Grael e Kahena Kunze. Sobram sugestões de temas para um documentário, não é verdade?

Só que estamos no Brasil, o país da monocultura esportiva. Por isso, não deveria me causar surpresa que fosse escolhido como tema uma outra conquista inédita: o ouro da Seleção Brasileira masculina, na decisão por pênaltis contra a Alemanha.

De acordo com o colunista de TV Flavio Ricco, do portal UOL, a TV Globo deverá exibir no dia 21 de dezembro um documentário, ainda sem título, sobre a conquista de Neymar e Cia, a primeira  medalha de ouro do Brasil em Olimpíadas.

Não questiono os motivos mercadológicos e de audiência que fizeram a principal emissora de tevê aberta do Brasil a optar por contar a história desta conquista. Assim como tenho certeza, pela capacidade e competência dos envolvidos, que o produto final será excelente.

Mas me parece que há uma miopia evidente em não enxergar que existe vida além do futebol no Brasil. A monocultura esportiva não acabou e nem mesmo uma Olimpíada no país foi capaz disso.



MaisRecentes

Se revogar a suspensão da Rússia, o COI perderá o respeito no combate ao doping



Continue Lendo

As falhas de Isadora Williams não diminuem sua grandeza em PyeongChang



Continue Lendo

Campeã olímpica Rafaela Silva sofre racismo da PM no Rio de Janeiro



Continue Lendo