Meta top 10 do Brasil no Rio 2016 está ameaçada?



Excelente o levantamento publicado desta última segunda-feira (14) pelo Diário Lance!, mostrando um balanço do desempenho dos esportes olímpicos em seus respectivos Mundiais ou competições equivalentes no ano de 2015, o penúltimo do ciclo olímpico antes dos Jogos do Rio 2016.

Isoladamente, o total de 19 pódios contabilizados pelo jornal, obtidos durante a temporada, não pode ser considerado ruim, longe disso. Basta ver que nas Olimpíadas de Londres 2012 foram 17 medalhas conquistadas por atletas brasileiros. Mas diante da ousada meta imposta pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil) e Ministério do Esporte, para terminar os Jogos do Rio no top 10 do quadro de medalhas, o resultado chega a ser um pouco preocupante, sim.

>>> Leia também: Nem ciclo olímpico milionário consegue fazer atletismo do Brasil evoluir

Estimativas já feitas pelo próprio COB apontam que para ficar entre os dez primeiros da classificação geral de medalhas nas próximas Olimpíadas, seria necessário conquistar algo em torno de 25 a 27 medalhas, tomando-se como base resultados em eventos anteriores. Em Londres, a Itália foi a 10ª colocada com um total de 28 pódios.

>>> E mais: Nova prévia de medalhas coloca Brasil abaixo da meta para o Rio 2016

Outro ponto que preocupa na minha opinião, com base na reportagem do Lance!, é a comparação com o desempenho brasileiro nos outros anos deste ciclo olímpico. A temporada de 2015 foi a pior destes três anos, com suas 19 medalhas. A melhor participação ocorreu em 2013, ano com quantidade semelhante de campeonatos mundiais ao desta temporada, quando as modalidades olímpicas brasileiras conquistaram 27 pódios.

O inédito pódio brasileiro triplo no Mundial de vôlei de praia de Haia, com Ágata e Bárbara (centro) festejando o título. Crédito: FIVB

O inédito pódio brasileiro triplo no Mundial de vôlei de praia de Haia, com Ágata e Bárbara (centro) festejando o título. Crédito: FIVB

No total, ocorreram 31 Mundiais ou eventos semelhantes de modalidades olímpicas em 2015, dos quais o Brasil passou em branco em nada menos do que 21 deles. Nos dez restantes, foram obtidas 19 medalhas, das quais apenas três de ouro: duas no vôlei de praia, com Alison/Bruno e Ágatha/Bárbara, e na canoagem velocidade, com Isaquias Queiroz e Erlon dos Santos, no C2 1000 m. Os outros pódios foram divididos com cinco medalhas de prata e 11 de bronze, de acordo com o levantamento do Lance!

A grande questão que fica neste balanço olímpico de 2015 tem a ver justamente com a tão badalada meta do top 10 colocada pelo COB e Ministério do Esporte. Um resultado de 19 medalhas jamais será ruim teoricamente, mas quando você consegue subir ao pódio em apenas dez modalidades, isso sim representa uma ameaça ao sucesso de alcançar tal meta, daqui a pouco menos de oito meses, no Rio 2016.

Muita água ainda irá rolar até o início das Olimpíadas e é possível que os resultados de 2015 sejam completamente diferentes no Rio de Janeiro e que a meta seja alcançada. A resposta só virá mesmo depois de 21/8/2016.



MaisRecentes

Liberação da Fiba é o mais novo título mundial do basquete brasileiro



Continue Lendo

Herói olímpico dos EUA desafia escândalo sexual no Mundial de taekwondo



Continue Lendo

Com medalhista olímpico, Brasil estreia sábado no Mundial de taekwondo



Continue Lendo