Médico afirma que pivô Kátia corre risco ao voltar às quadras



É preocupante o fato da pivô Kátia ter sido liberada para defender a equipe do Mann Filter, de Zaragoza. Cortada da seleção brasileira que disputou o Pan-Americano por causa de irregularidades em seu ritmo cardíaco, a jogadora assinou contrato com o time espanhol após realizar novos exames. De acordo com médicos espanhóis, Kátia possuí apenas uma alteração benigna, que não a impende de praticar o esporte.

Mas segundo matéria publicada nesta quarta-feira, no Diário de S. Paulo, do repórter Alessandro Lucchetti, a situação de Kátia não é tão tranqüila assim. O médico cardiologista Nabil Goraieb, do Instituo Dante Pazzanese, os exames realizados pelos espanhóis foram incompletos. Goraieb sustenta que foram feitos em Kátia somente parte dos exames necessários e que isso não bastaria para liberar a jogadora. Ele assegura que a pivô corre risco de sofer um mal súbito em quadra. O médico lembrou, inclusive, que Kátia possuí a mesma anomalia do zagueiro Puerta, do Sevilla, que morreu no início do mês.

A Confederação Brasileira de Basquete liberou a jogadora para atuar, mas garantiu que Kátia assinou um termo de resposabilidade, isentando-a em caso de qualquer problema.

A pergunta que fica: será que todo este risco vale a pena?


  • Atletas morrem como moscas na Europa pq os clubes fazem um exame médico de merda. Basta ver quantos atletas morreram nos últimos tempos. É tudo por causa de grana e interesse. Ela deveria ser proibida legal e judicialmente de jogar pro seu próprio bem.

  • Anônimo

    Pessoal, o assunto é complicado, mas esse é o trabalho dela. Vai proibir a mulher de trabalhar? E pagar a ela uma aposentadoria do INSS?

MaisRecentes

Correria japonesa? Brasil já pensa nas oitavas do Mundial de handebol



Continue Lendo

‘Paredão’ Maik deixa Seleção Brasileira viva no Mundial de handebol



Continue Lendo

Rúgbi do Brasil inicia temporada de olho nos Jogos de Tóquio-2020



Continue Lendo