Mancadas de narradores alegram as transmissões olímpicas no Brasil



Em todo grande evento esportivo, como é o caso atualmente dos Jogos Olímpicos, as redes de TV do Brasil fazem uma ampla cobertura que, muitas vezes, chegam a ser cansativas. Se cansa o telespectador, o que dirá do coitado que está atrás das câmaras, narrando e comentando as mais variadas modalidades esportivas?

Só que isso não dá isenção a que inundem nossas ouvidos com bobagens, ufanismos tolos, erros de português etc…O ótimo Estado de Circo, do amigo e colega Rodrigo Borges, tem ficado atento às besteiras que invadem a telinha. Hoje, quem sintonizou na Band para acompanhar o jogo de basquete entre Estados Unidos e Grécia, pode escutar várias delas.

O narrador Silvio Luiz, para início de conversa, parece que só conhecia dois jogadores americanos, LeBron James e Kobe Bryant. Depois, passou o jogo todo rebatizando o armador Carmelo Anthony de “Anthony Carmelo”…

Mas a peróla veio perto do final do primeiro tempo. O médico e comentarista Osmar de Oliveira (que tem um profundo conhecimento em outras modalidades) quis fazer uma brincadeira com o nome do pivô grego Schortsanitis, filho de pai grego e mãe camaronesa.

– E o primeiro nome dele é Sofoklis – disse Osmar
– Ah, o deus grego – rebateu Silvio Luiz, na lata

– Não, o filósofo..- respondeu rapidamente o comentarista, referindo-se a Sófocles, um dos mais famosos dramaturgos da Grécia antiga e que escreveu, entre outras obras, Rei Édipo.



  • Chego à conclusão de que as emissoras de TV acham que meus ouvidos são um par de penicos.

  • O pior foi ouvir o Silvio chamar o Chris Bosh de Chris Bush. sinceramente, eu torço para que o avião da Globo e da Band sejam explodidos em pleno ar. Só assim teremos uma renovação, embora a Globo tenha formado sua nova geração maldita de mini-Galvão Buenos por 30 anos.