Liberação da Fiba é o mais novo título mundial do basquete brasileiro



Atualizado

A grande notícia recebida nesta quarta-feira pelo basquete brasileiro, a retirada da suspensão pela Fiba, equivale a um título mundial. Não se trata de um exagero do blogueiro, fã declarado da modalidade e que durante muitos anos, em sua vida de repórter, foi setorista (para quem não é da área, é o repórter especializado em cobrir determinado assunto).

A decisão da Federação Internacional de Basquete representa, na prática, a “carta de alforria” que o basquete nacional tanto precisava. Foi, sem dúvida alguma, um feito notável da nova administração da CBB (Confederação Brasileira de Basquete), sob o comando de Guy Peixoto desde março, quando venceu a eleição e herdou uma entidade falida, com dívidas que estavam na casa dos R$ 15 milhões, diversas suspeitas de uso indevido de dinheiro público e calotes também na própria Fiba. Tudo graças a uma administração calamitosa do ex-mandatário, Carlos Nunes, que até onde se conhece a história, está por aí, livre, leve e solto.

(Em tempo, confira aqui a carta aberta aos fãs do basquete, no site da CBB, sobre a revogação da suspensão da Fiba)

Com apoio de grandes nomes da história do basquete nacional, como Amaury Pasos, Wlamir Marques e Marquinhos Abdalla, entre outros, Peixoto conseguiu convencer a cartolagem da Fiba que a CBB estava passando a régua em um passado cheio de pilantragens e incompetência administrativa. A suspensão deveria ter sido revogada em maio, mas a direção da Fiba ainda não sentia firmeza nas intenções dos brasileiros. Nesta quarta, finalmente o sinal verde foi dado.

É claro que o basquete brasileiro não vive um céu de brigadeiro. Há problemas que precisam  ser resolvidos, como  a pendência entre CBB e a LNB (Liga Nacional de Basquete), em relação à organização da Liga de Desenvolvimento do NBB, além de outras competições de base. A própria situação do basquete feminino ainda me parece um tanto nebulosa nesta nova fase. Mas seria impossível resolver em três meses toda a herança maldita de Carlos Nunes & Cia.

A comparação com a conquista de um novo título mundial, que está na abertura do post, pode também ser justificada pelas informações que vinham de fora logo após a suspensão. Conforme reportagem publicada no Diário LANCE! em novembro, a primeira opção da Fiba foi, com ajuda do COB, instituir uma intervenção na CBB. Além de podar a própria autonomia da modalidade  para resolver seus próprios problemas, exigindo uma mudança geral, nada poderia assegurar que a medida teria êxito.

Liberado para retornar às competições internacionais de clubes e seleções, além de poder receber verbas públicas como recursos da Lei Agnelo/Piva que estavam retidos pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil), é hora do basquete brasileiro olhar para o futuro e tentar retomar o caminho das antigas glórias do passado.

Atualização: Nesta quinta-feira, a Fiba soltou seu comunicado oficial a respeito do final da suspensão. Foi quando ficamos sabendo que, na verdade, a federação internacional impôs uma série de condições à CBB para definitivamente retirar a suspensão. Ou seja, o basquete brasileiro está “sub-júdice”. Nos próximos dois meses, a Fiba estará com uma enorme lupa sobre a CBB até conceder a liberação definitiva. Por isso, mais do que nunca, o momento entre todos os envolvidos no basquete nacional seja de união.

MAIS SOBRE O BASQUETE BRASILEIRO:

A volta das ‘camisas mágicas’ do basquete 
Vexame? Disso o basquete brasileiro entende 
Suspensão pela Fiba é o maior vexame do basquete do Brasil 
Oscar Schmidt no All-Star da NBA alivia a depressão do basquete brasileiro 
Tempo de mudanças no esporte brasileiro?

 



MaisRecentes

As falhas de Isadora Williams não diminuem sua grandeza em PyeongChang



Continue Lendo

Campeã olímpica Rafaela Silva sofre racismo da PM no Rio de Janeiro



Continue Lendo

Heróis de PyeongChang #5: seleção americana feminina de hóquei no gelo



Continue Lendo