Morte de Joaquim Mamede encerra capítulo polêmico no judô brasileiro



A notícia da morte de Joaquim Mamede, ocorrida no último domingo, aos 86 anos, encerrou um capítulo polêmico na história do esporte olímpico brasileiro, em particular do judô. Bom, polêmico é o adjetivo mais soft que se pode definir o ex-dirigente, que comandou com mão de ferro a modalidade por 21 anos, atuando como presidente e superintendente da CBJ (Confederação Brasileira de Judô).

Os mais condescendentes irão apontar que Mamede teve um papel importante em uma época de crescimento do judô a nível internacional. Foi sob seu comando que veio a primeira medalha de ouro olímpica, nos Jogos de Seul 1988, com Aurélio Miguel, na categoria meio-pesado. Quatro anos antes, em Los Angeles 1984, o Brasil já havia conquistado um resultado inédito, com a prata de Douglas Vieira na mesma categoria.

O próprio presidente da CBJ, Paulo Wanderley, enalteceu algumas qualidades de Mamede, como o fato de ter apoiado o crescimento do esporte no Norte e Nordeste do país, além de incentivar a prática do judô feminino, que de fato se tornou uma potência no Brasil.

Mas Joaquim Mamede também foi sinônimo de trevas, truculência e incompetência administrativa. Dono de uma personalidade forte, não engolia desaforo de ninguém, nem de jornalistas, alvos prediletos de respostas desaforadas e mal-educadas. Alguns colegas levavam na boa e deixavam o velho Mamede “soltar os cachorros” diante de uma pergunta mais apimentada, enquanto outros partiam para o confronto, rendendo boas discussões.

Mas o que seria apenas um comportamento criticável e folclórico também tinha uma faceta danosa ao judô brasileiro. Foi por conta deste gênio forte que ele entrou em confronto com o maior ídolo da modalidade nos anos 80, simplesmente o campeão olímpico Aurélio Miguel. Questões pessoais, como brigas desde a época de juvenil, foram minando a relação entre Aurélio e Mamede. Só que após o ouro em Seul, a tensão aumentou, por motivos mais graves.

Reprodução da página do Globo, noticiando o acordo de paz entre Mamede e Aurélio Miguel

Reprodução da página do Globo, noticiando o acordo de paz entre Mamede e Aurélio Miguel

O judoca questionava o sistema de seletivas usado pela CBJ para a formação das seleções brasileiras, o que não era admitido por Mamede. Depois, começou a questionar premiações e contas da própria entidade. O resultado disso é que um grupo de atletas, liderado por Aurélio Miguel, decidiu que não iria competir enquanto o dirigente continuasse no poder.

Esse grupo dissidente, no qual fazia parte o então desconhecido Rogério Sampaio ficou afastado das competições entre 1989 e 1991. Somente em janeiro de 92, após longa negociação com Bernard Rajzman, então secretário de esportes do governo Fernando Collor, que Mamede e Aurélio fizeram um “acordo de paz”, marcando a volta dos dissidentes justamente às vésperas das Olimpíadas de Barcelona, quando Sampaio consagrou-se campeão olímpico de forma surpreendente.

A gestão Mamede ficou marcada também por deixar o judô sem verbas federais, após acusação de irregularidades pelo TCU (Tribunal de Contas da União). E como não poderia mais concorrer à presidência, após dois mandatos, colocou seu filho Mamede Júnior no cargo, mas quem continuava mandando no judô brasileiro era o velho Mamede. A dinastia Mamede durou até 2001, quando saiu de cena, substituído por Wanderley.

A história de Joaquim Mamede à frente do judô brasileiro, encerrada com sua morte no último domingo, marcou uma fase que não pode ser esquecida, porém está longe de deixar saudades.



MaisRecentes

Hora da parada técnica



Continue Lendo

Vem aí um novo ídolo do esporte brasileiro: Hugo Calderano



Continue Lendo

Dez mulheres olímpicas que deixam o Brasil orgulhoso



Continue Lendo