Recorde de João do Pulo vira selo



João do Pulo, recorde no salto triplo

João do Pulo no dia do recorde mundial no Pan de 1975, na Cidade do México (Crédito: Reprodução)

Um dos maiores feitos da história do atletismo brasileiro, que completa 41 anos neste sábado (15), será eternizado na forma de selo. O inesquecível recorde de João Carlos de Oliveira, o João do Pulo, ao marcar 17,89 m no salto triplo dos Jogos Pan-Americanos da Cidade do México 1975, receberá uma homenagem dos Correios. A cerimônia acontecerá durante o Campeonato Brasileiro sub 18, na Arena Caixa, em São Bernardo do Campo (SP).

Para quem não se lembra ou não conheceu João do Pulo, sempre é bom ressaltar que a marca que o atleta, que morreu em 1999, vítima de cirrose hepática, é até hoje uma das mais importantes na história do salto triplo. Os 17,89 m que o brasileiro cravou na Cidade do México há 41 anos lhe dariam a medalha de ouro nos Jogos Rio-2016. O americano Christian Taylor foi campeão olímpico com 17,86 m!

VEJA TAMBÉM:

>>> O dia em que fiquei feliz por um recorde não ser quebrado 
>>> O legado de João do Pulo está vivo

Durante dez anos, ninguém conseguiu superar a marca de João do Pulo, até que em junho de 1985, quando o brasileiro já estava aposentado devido ao grave acidente automobilístico que lhe custou a amputação da perna direita, o americano Willie Banks cravou 17,97 m e tornou-se o novo recordista mundial.

Na América do Sul, o recorde de João permaneceu imbatível por quase 31 anos, quando em maio de 2007 Jadel Gregório marcou 17,90 m.

Como se não bastasse a marca histórica, João do Pulo ainda tem no currículo duas medalhas olímpicas, ambas de bronze, obtidas em Montreal 1976 e Moscou 1980, quando muitos juram que o brasileiro foi visivelmente prejudicado pelos árbitros soviéticos, que anularam quatro dos seis saltos que ele fez na final.

João Carlos de Oliveira é o atleta mais vitorioso do atletismo em Pan-Americanos, com os quatro ouros no salto em distância e triplo na Cidade do México 1975 e San Juan 1979. Ele foi também tricampeão da antiga Copa do Mundo de atletismo, faturando o ouro nas edições de 1977 (Dusseldorf-ALE), 1979 (Montreal-CAN) e 1981 (Roma-ITA).

 



MaisRecentes

Sonho de Budapeste para os Jogos de 2024 pode terminar nesta quarta-feira



Continue Lendo

Falta patrocínio no esporte brasileiro? O rúgbi não tem do que reclamar



Continue Lendo