Iziane e a vitória da indisciplina



Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 20 de novembro do Diário de S. Paulo

A informação ainda não é oficial, mas pelo andar da carruagem deverá ser confirmada em breve: Paulo Bassul não continuará no comando da seleção brasileira feminina de basquete, que disputará o Mundial da República Tcheca no ano que vem. Em compensação, a ala Iziane Marques, que protagonizou o maior episódio de indisciplina explícita do basquete brasileiro, ao se recusar a atender um chamado de Bassul e entrar em quadra durante uma partida do Pré-Olímpico Mundial de Madri, em 2008, terá presença assegurada.

A cada dia, fica evidente que Bassul está com os dias contados na Confederação Brasileira de Basquete (CBB). E nem a própria entidade tem se preocupado em fazer segredo disso. Como o presidente Carlos Nunes anda silencioso ultimamente, vem partindo da diretora de basquete feminino, Hortência Marcari, os sinais de que a relação está próxima do fim. Há uma semana, ao ser questionada sobre o caso Bassul, Hortência fuzilou: “A questão do técnico não é para agora”, disparou a cartola.

Além de ser uma baita falta de respeito com um profissional sério como Bassul se não querem mais contar com o sujeito, por que não falam logo que ele está fora dos planos? , esta bizarra situação acaba premiando quem na verdade deveria ser punida. A presença de Iziane é uma questão de honra para Hortência, que vem mantendo contatos frequentes com a ala e tentar convencê-la a aceitar uma nova convocação. Sem Bassul, é certo que ela aceitará. Será uma cesta de três pontos da indisciplina.

A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada às sextas-feiras no Diário de S. Paulo



MaisRecentes

No Dia Olímpico, comemore acompanhando muito esporte



Continue Lendo

Liberação da Fiba é o mais novo título mundial do basquete brasileiro



Continue Lendo

Herói olímpico dos EUA desafia escândalo sexual no Mundial de taekwondo



Continue Lendo