Isadora Williams consegue feito histórico em PyeongChang



A patinadora brasileira Isadora Williams em ação em sua apresentação no programa curto da patinação artística em PyeongChang (Crédito: AFP PHOTOS/ARIS MESSINIS)

Um feito histórico para o esporte brasileiro. A frase é um clichê, mas representa exatamente o feito alcançado pela patinadora brasileira Isadora Williams, que nesta terça-feira, ao se classificar para o programa livre da patinação artística da Olimpíada de Inverno de PyeongChang.

Jamais uma brasileira alcançou um feita desta grandeza. O programa livre será na próxima quinta-feira  (22), quando haverá a disputa de medalhas, reunindo as 24 melhores patinadoras do mundo. Em resumo, uma brasileira terminará esta Olimpíada entre as principais atletas da modalidade.

No momento em que este post é escrito, Isadora Williams ocupava nada menos do que o segundo lugar entre todas as competidores, com a nota de 55.74 – a melhor de sua carreira.

(atualização: ao final do programa curto, na madrugada desta quarta-feira, Isadora terminou na 17ª posição, o que continua sendo um resultado sensacional. Além de primeira brasileira, ela é a primeira sul-americana a alcançar o programa livre de uma Olimpíada de Inverno)

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga 

Se pensarmos em perspectiva, o feito de Isadora, de 22 anos, é ainda mais impressionante. Há quatro anos, na Olimpíada de Sochi, ela ficou em 30º e último lugar e não avançou para a a fase final. A evolução da brasileira nascida nos Estados Unidos, filha de mãe brasileira e pai americana, tem sido espetacular.

No mês passado, conversei com Isadora, para a produção de uma série de reportagens sobre os Jogos Olímpicos de Inverno para o site da Veja. E em uma das respostas, Isadora Williams deixou bem claro qual seria seu objetivo em PyeongChang.

“Eu sou a minha maior adversária, tenho uma luta interna enorme comigo mesma. Eu me cobro o tempo todo. Não faço e nem gosto muito de projeções. Eu vou acreditar em mim, nos meus treinos e no que sou capaz de fazer. Eu quero muito fazer o programa longo e somente as 24 melhores atletas do programa curto conseguem ir para o segundo dia. Eu quero muito estar nesse grupo.”

Pois bem, Isadora, hoje você faz parte deste grupo. Parabéns.

VEJA TAMBÉM:

Brasileiros em PyeongChang-2018: patinação artística 
Delegação do Brasil encolhe 30% nos Jogos de Inverno em quatro anos 
Brasileiros em PyeongChang-2018: bobsled 
Feito de Victor Santos na Olimpíada de PyeongChang vai muito além do resultado



MaisRecentes

Jornal canadense levanta dúvidas sobre caso Ben Johnson



Continue Lendo

Vitória histórica pode fazer Brasil superar ‘grupo da morte’ no Mundial de handebol



Continue Lendo