Isadora Williams consegue feito histórico em PyeongChang



A patinadora brasileira Isadora Williams em ação em sua apresentação no programa curto da patinação artística em PyeongChang (Crédito: AFP PHOTOS/ARIS MESSINIS)

Um feito histórico para o esporte brasileiro. A frase é um clichê, mas representa exatamente o feito alcançado pela patinadora brasileira Isadora Williams, que nesta terça-feira, ao se classificar para o programa livre da patinação artística da Olimpíada de Inverno de PyeongChang.

Jamais uma brasileira alcançou um feita desta grandeza. O programa livre será na próxima quinta-feira  (22), quando haverá a disputa de medalhas, reunindo as 24 melhores patinadoras do mundo. Em resumo, uma brasileira terminará esta Olimpíada entre as principais atletas da modalidade.

No momento em que este post é escrito, Isadora Williams ocupava nada menos do que o segundo lugar entre todas as competidores, com a nota de 55.74 – a melhor de sua carreira.

(atualização: ao final do programa curto, na madrugada desta quarta-feira, Isadora terminou na 17ª posição, o que continua sendo um resultado sensacional. Além de primeira brasileira, ela é a primeira sul-americana a alcançar o programa livre de uma Olimpíada de Inverno)

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga 

Se pensarmos em perspectiva, o feito de Isadora, de 22 anos, é ainda mais impressionante. Há quatro anos, na Olimpíada de Sochi, ela ficou em 30º e último lugar e não avançou para a a fase final. A evolução da brasileira nascida nos Estados Unidos, filha de mãe brasileira e pai americana, tem sido espetacular.

No mês passado, conversei com Isadora, para a produção de uma série de reportagens sobre os Jogos Olímpicos de Inverno para o site da Veja. E em uma das respostas, Isadora Williams deixou bem claro qual seria seu objetivo em PyeongChang.

“Eu sou a minha maior adversária, tenho uma luta interna enorme comigo mesma. Eu me cobro o tempo todo. Não faço e nem gosto muito de projeções. Eu vou acreditar em mim, nos meus treinos e no que sou capaz de fazer. Eu quero muito fazer o programa longo e somente as 24 melhores atletas do programa curto conseguem ir para o segundo dia. Eu quero muito estar nesse grupo.”

Pois bem, Isadora, hoje você faz parte deste grupo. Parabéns.

VEJA TAMBÉM:

Brasileiros em PyeongChang-2018: patinação artística 
Delegação do Brasil encolhe 30% nos Jogos de Inverno em quatro anos 
Brasileiros em PyeongChang-2018: bobsled 
Feito de Victor Santos na Olimpíada de PyeongChang vai muito além do resultado



MaisRecentes

O ‘não’ de Calgary para Olimpíada de 2026 é mais um tapa na cara do COI



Continue Lendo

Os segredos de Jésus Morlán para reinventar a canoagem do Brasil



Continue Lendo