Caso da devolução dos ingressos da
Rio-2016 é uma vergonha



O visual dos ingressos comemorativos da Rio-2016, anunciado nesta sexta-feira (Crédito: Alex Ferro/Rio 2016)

Mais de 120 mil pessoas ainda têm dinheiro a receber do comitê Rio-2016 sobre a revenda de seus ingressos da Olimpíada (Crédito: Alex Ferro/Rio 2016)

Nesta sexta-feira, completam-se exatos dois meses do encerramento da Olimpíada Rio 2016. Para ficar num velho chavão, parece que foi ontem… Tanto é essa a impressão que basta uma rápida busca nas redes sociais para encontrar posts e comentários de pessoas com saudades dos Jogos Olímpicos. Eu também, é claro. O que o Rio de Janeiro vivenciou naqueles 17 dias, bem como na Paralimpíada, semanas depois, ficará na história. O que não dá saudade alguma é o descaso que estão passando as pessoas que tentam receber o dinheiro dos ingressos que deixaram para o comitê Rio-2016 revender.

É mais um daqueles casos em que fica demonstrado o descuido com coisas que só mancham a imagem de um evento. Sempre é bom lembrar que a Olimpíada, de modo geral, foi bem sucedida e elevou a auto-estima do brasileiro. Durante o lançamento do programa de venda dos ingressos, os organizadores faziam questão de ressaltar a possibilidade das entradas serem revendidas em algumas das fases de venda.

VEJA TAMBÉM:

>>> Ressaca olímpica começou mais cedo do que se imaginava

Como deveria funcionar: o fã que adquiriu algum ingresso para os Jogos e depois decidiu não utilizá-lo, poderia ter seu dinheiro de volta graças ao mecanismo de revenda. A ferramenta, criada para evitar o cambismo de ingressos, permitia que os organizadores colocassem novamente os ingressos à venda. Assim, deveriam reembolsar o valor dos bilhetes revendidos aos torcedores no máximo até 20 de outubro, pouco mais de um mês após o encerramento da Paralimpíada.

Aí que os problemas começaram. Diversas denúncias de pessoas que não conseguiam informações sobre a data do reembolso. Atualmente, cerca de 120 mil torcedores ainda aguardam ter o dinheiro de volta, o que corresponde a 40% do total de bilhetes revendidos.

O caso beira o surreal, pois os organizadores não conseguiram solucionar os problemas para efetuar os depósitos dentro do prazo. Tivera que iniciar uma espécie de mutirão, contatando um a um os torcedores com direito a reembolso, solicitando os dados bancários para fazer os depósitos! A única pergunta que me ocorre neste momento: não conseguiram prever, com a antecedência que o sistema foi criado, que este tipo de situação iria ocorrer? É uma piada, e de péssimo gosto.

” O principal problema foi técnico. O dinheiro está aqui. A demora aconteceu porque estávamos buscando uma solução técnica com a operadora. Não funcionou. Então, decidimos fazer manualmente. Em poucos dias, todos receberão o dinheiro”, declarou o diretor de comunicação da Rio-2016, Mário Andrada, ao repórter Jonas Moura, do LANCE!

Continuo insistindo que é um caso absurdo, que mostra despreparo das pessoas que cuidaram da organização dos Jogos Olímpicos no Brasil.

Não foi à toa, inclusive, que o Procon-RJ notificou o comitê organizador Rio-2016 nesta sexta-feira, alegando que está sendo descumprindo o artigo 30 do Código de Defesa do Consumidor.  Os organizadores têm 15 dias para apresentar sua defesa e mostrar qual o plano de ação para o reembolso dos valores devidos. O Rio-2016 corre risco de ser multado pelo Procon-RJ, com valores variando entre R$ 600 a R$ 9 milhões.

É sempre positivo ressaltar as boas coisas que a Rio-2016 trouxe, mas não dá para esconder alguns vexames inacreditáveis.



MaisRecentes

Fora da Odepa, Nuzman precisa se preocupar com o esporte do Brasil



Continue Lendo

Em disputa acirrada, Nuzman tenta presidência da Odepa nesta quarta



Continue Lendo

Em semana decisiva na Odepa, Nuzman ganha cargo em Tóquio-2020, diz site



Continue Lendo