Handebol ganha sobrevida para Tóquio. Mas terá aprendido as lições de Lima?



Derrota no Pan por pouco não tirou o handebol masculino do Brasil da Olimpíada (Crédito: Washington Alves/COB)

Nesta terça-feira (28), a IHF (Federação Internacional de Handebol) ratificou aquilo que muitos achavam impossível. Graças à uma incrível combinação de resultados, com Espanha campeã europeia e Egito levando o título da África, a seleção brasileira masculina de handebol assegurou o direito de participar do Pré-Olímpico mundial. Com isso, a equipe ainda pode sonhar com uma vaga nos Jogos de Tóquio-2020.

O mais incrível ainda é que no grupo que dará duas vagas para a Olimpíada, o Brasil aparece com ótimas chances de classificação. No quadrangular que será realizado em Trondheim, na Noruega, a seleção terá que enfrentar, além dos donos da casa, as seleções do Chile e da Coreia do Sul. Em teoria, vencendo os coreanos e os chilenos, a vaga estará na mão.

Na teoria…

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga

Sim, porque foi justamente um inacreditável tropeço contra o Chile, na semifinal do Pan-Americano de Lima-2019, que fez com que o Brasil passasse esse sufoco inacreditável para seguir na rota olímpica.

Se tivesse chegado à final e derrotasse a Argentina na decisão, a seleção estaria classificada para Tóquio. Assim como fez a seleção feminina, que derrotou as argentinas e foi hexacampeã das Américas.

Uma derrota inacreditável, contra um time que sempre foi freguês do handebol masculino brasileiro. Para uma equipe que meses antes havia cumprido a melhor campanha da história em Mundiais, ao ficar em 9º lugar no torneio disputado na Alemanha, foi um golpe muito duro.

A despeito do merecimento óbvio que os atletas têm em brigar por uma chance de chegar aos Jogos Olímpicos, fico aqui pensando se os dirigentes aprenderam com os erros da péssima preparação para o Pan-Americano, que custou o emprego do técnico Washington Nunes.

Como não lembrar dos incríveis erros administrativos cometidos na gestão do ex-presidente Manoel Luiz de Oliveira na CBHb (Confederação Brasileira de Handebol). Prestações de contas não feitas ou rejeitadas, dívidas com a Federação Internacional (já perdoadas) e tendo suas contas bloqueadas. A entidade está inclusive impedida de receber os recursos da Lei Agnelo/Piva. Só funciona com repasses diretos do COB (Comitê Olímpico do Brasil). É este dinheiro que banca fases de preparação e participação das seleções em competições internacionais.

Que os vexames fora de quadra não contaminem a equipe em busca de uma vaga que de improvável, ficou bem perto de se tornar realidade.

VEJA TAMBÉM:

Handebol masculino muda de patamar com 9º lugar no Mundial 
Jordi Ribera volta a ser carrasco do handebol do Brasil 
Brasil bate gigante no Mundial de handebol masculino